10187

FITOQUÍMICOS BIOATIVOS EM GENGIBRE (Zingiber officinale)

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

O consumo de alimentos de origem vegetal tem sido relacionado com diversos benefícios à saúde. Portanto, é objeto de interesse, tanto para indústria de alimentos como para consumidores, a quantificação de compostos bioativos, como os polifenóis. Dentre os alimentos, pode-se citar o gengibre, raiz cultivada em países tropicais e subtropicais. Desta forma, esse trabalho objetivou determinar o teor dos principais compostos bioativos presentes em extrato de gengibre. O gengibre (Zingiber officinale), adquirido no comércio local da cidade do Recife-PE, foi triturado para obtenção uma pasta que foi submetida à extração fenólica por processo não seqüencial, utilizando como solvente metanol a 80%. Após extração, o extrato foi submetido às seguintes determinações analíticas: fenólicos totais, flavonóis totais, flavonoides totais e taninos condensados através de métodos espectrofotométricos. Esta raiz apresentou em sua constituição os seguintes teores dos principais polifenóis: 609,2mg EAG/100g de Fenólicos totais; 269,3mg equivalente em quercetina /100g de flavonóis totais; 0,70mg equivalente em catequina /100g de flavonoides totais e 29,26mg equivalente em catequina /100g de taninos condensados. Os resultados demonstram que o gengibre apresenta em sua constituição teores significantes de polifenóis, fitoquímicos com reconhecida ação antioxidante. Sendo assim, torna-se relevante incorporar esta raiz em alimentos que integram a dieta usual de modo a contribuir com o aporte de antioxidantes dietéticos.