83123

ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES A PARTIR DE INQUÉRITO DE SAÚDE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Favoritar este trabalho

Objetivo: Apresentar estimativas de prevalência das diferentes categorias do estado nutricional de adolescentes segundo variáveis sociodemográficas e regiões da cidade de São Paulo, a partir do inquérito de saúde de base populacional realizado na cidade - ISA Capital 2015. Método: De 4.043 entrevistados (12 anos e +), selecionados a partir de amostra complexa, representativa para sexo e idade, 859 eram adolescentes (de 12 a 19 anos), representando 1.346.800 da população geral. Calculado Índice de Massa Corporal (IMC) (kg/m2), com peso e altura autorreferidos, associado ao critério estatístico do desvio padrão (DP) indicando o quanto determinado grupo se distancia da média, de acordo com a idade e sexo: magreza (DP do IMC<-2); eutrofia (DP do IMC≥-2 e <+1); sobrepeso (DP do IMC ≥+1 e <+2) e obesidade (DP do IMC ≥+2). Consideradas diferenças significativas, quando não houve sobreposição dos intervalos de confiança. Resultados: Prevalência de adolescentes com magreza (1,9%), sobrepeso (19,5%), e obesidade (9,4%). Ocorreu aumento (do ISA de 2003 para 2015) da proporção de adolescentes com sobrepeso (15,9% X 19,5%) e obesidade (2,7% X 9,4%). A região sudeste apresentou proporção menor sobrepeso em relação às demais regiões (8,6% X centro-oeste, 25%; leste, 24,4%; norte, 20,8%; sul, 20,2%) e à cidade de São Paulo (8,6 X 19,5%). Não houve diferença segundo sexo, escolaridade, raça/cor e renda. Conclusão: O estudo aponta a necessidade de estabelecer práticas de monitoramento do estado nutricional de adolescentes e direcionar intervenções na área de assistência à saúde, prevenção e controle do sobrepeso e obesidade em adolescentes.