PREVALÊNCIA DE GASTROSQUISE NO BRASIL DE 2005 A 2019

Vol 2, 2021 - 140393
Pôster Eletrônico - PE06 - Epidemiologia da saúde da criança (TODOS OS DIAS)
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

Objetivos: A gastrosquise é uma anomalia congênita da parede abdominal cuja prevalência vem aumentando em diversos locais do mundo e está associada à baixa idade materna. Este estudo estimou a prevalência de gastrosquise no Brasil, ao longo de 5 triênios. Métodos: Estudo seccional de base populacional nacional com dados abertos e não identificados provenientes do SINASC entre 2005 a 2019, analisando 42.345.098 nascidos vivos (NV) e 10.144 casos de gastrosquise. Foi realizada análise exploratória da associação entre fatores individuais maternos e do NV empregando-se modelo de Poisson. Uma vez que a idade materna se mostrou um fator de risco forte, esta foi usada para o ajuste das estimativas por método direto, tendo como referência a média de idade materna de toda população do estudo. Resultados: A prevalência geral de gastrosquise por 10.000 NV no Brasil foi 2,21 (IC 95% 2,16 – 2,25), variando de 1,62 (IC 95% 1,54 – 1,71) no primeiro triênio a 2,57 (IC 95% 2,46 – 2,69) no último. Considerando referência a idade materna de 20 a 34 anos, a razão de prevalência foi 4,60 (IC 95% 4,07 – 5,20) entre mães de 10 a 14 anos, 3,55 (IC 95% 3,41– 3,71) entre aquelas de 15 a 19 anos e 0,31 (IC 95% 0,27 – 0,35) entre as de 35 a 49 anos. Conclusões: Houve aumento da prevalência de gastrosquise no Brasil de 2005 a 2019. Mães jovens têm maior risco para gastrosquise. As muito jovens, risco ainda maior. A idade materna acima de 34 anos foi fator de proteção.

Eixo Temático
  • Epidemiologia da saúde da criança