IMPACTO DA PANDEMIA DA COVID-19 NOS ATENDIMENTOS DE SAÚDE MENTAL A ADOLESCENTES

Vol 2, 2021 - 140464
Pôster Eletrônico - PE07 - Epidemiologia da saúde do adolescente (TODOS OS DIAS)
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

Objetivo: Analisar o impacto da pandemia da COVID-19 nos atendimentos de saúde mental a adolescentes nos serviços de Atenção Básica (AB) de Belo Horizonte. Métodos: Estudo ecológico transversal com dados do Sistema de Informações em Saúde para a AB referentes a 60.497 atendimentos. Foram analisados os números de atendimentos mensais (janeiro-dezembro) em 2020, comparando-os com 2019. Os dados foram categorizados por sexo e idade (10-14 [mais jovens]; 15-19 [mais velhos]). Foram calculadas e comparadas as médias mensais, com seus desvios-padrão (DP), considerando o teste de Mann-Whitney e p<0,05. Resultados: Em 2019, 35.667 adolescentes foram atendidos por condições relacionadas à saúde mental (meninos 53,18%; 10-14 anos 51,90%) e em 2020, 24.830 (meninos 47,48%; 10-14 anos 42,70%). A redução na média mensal de atendimentos foi de 30,38%, passando de 1.783,35 (DP=454,37) em 2019 para 1.241,50 (DP=330,95) em 2020. Dentre os mais jovens, essa redução durou de abril a setembro, em ambos os sexos, mas persistindo até novembro dentre os meninos (p<0,05). Nos mais velhos, a redução durou menos tempo, de abril a julho, em ambos os sexos (p<0,05). A partir de novembro, a média mensal de atendimentos a adolescentes mais velhas em 2020, superou 2019 (p<0,05). Conclusão: houve redução dos atendimentos por um período de meses mais prolongado dentre os adolescentes mais jovens, ambos os sexos, e aumento dos atendimentos a adolescentes mais velhas nos últimos meses de 2020.

Eixo Temático
  • Epidemiologia da saúde do adolescente