EXPECTATIVA DE VIDA COM E SEM MULTIMORBIDADE ENTRE IDOSOS BRASILEIROS

Vol 2, 2021 - 139751
Comunicação Oral Coordenada - COC 49 - PERCEPÇÃO DA SAÚDE, EXPECTATIVA DE VIDA E FUNCIONALIDADE ENTRE IDOSOS
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

Objetivo: analisar diferenças na expectativa de vida com e sem multimorbidade (duas ou mais condições crônicas) entre idosos nos estados brasileiros, segundo sexo e idade. Método: Utilizamos os dados de mortalidade do Sistema de Informações sobre Mortalidade e projeções populacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística para elaborar tábuas de vida para os estados, por sexo. Informação sobre a prevalência de multimorbidade foi obtida a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2013. A partir do método de Sullivan, estimamos a expectativa de vida com e sem multimorbidade e a proporção de anos vividos com multimorbidade. Resultados: A amostra de idosos da PNS possuía um total de 11.697 entrevistados, cuja idade média foi de 70,08 anos (DP 0,09 anos). A proporção de anos a serem vividos com multimorbidade aumenta com a idade (53,6% aos 60 anos, e 57,3% aos 75 anos). Mulheres possuem expectativa de vida maior do que os homens, mas convivem mais com multimorbidade. Aos 60 anos, as mulheres brasileiras esperam viver, em média, 13,5 anos com multimorbidade e os homens 8,3 anos. Constatou-se grande diferença na expectativa de vida com multimorbidade quando comparadas as unidades da federação, com amplitude de 8,2 a 14,2 anos (aos 60 anos de idade). Conclusão: É importante considerar estas diferenças na priorização de ações e grupos para intervenção em saúde pública.

Eixo Temático
  • Epidemiologia da saúde do idoso