81270

Perfil médico espiritual/religioso relacionado à abordagem da espiritualidade na prática clínica

Favoritar este trabalho

INTRODUÇÃO: A espiritualidade pode ser definida como uma dimensão individual que interfere no estado biopsicossocial do paciente, bem como no do médico, tendo sua abordagem no cuidado à saúde cada vez reconhecida. Por isso, se faz necessário avaliar o perfil espiritual/religioso dos profissionais de saúde e a relação existente entre este e a abordagem da espiritualidade na prática clínica. OBJETIVO: Analisar o perfil espiritual dos médicos de Aracaju-SE, reconhecendo a relação das suas crenças e da abordagem do tema em suas formações com as dificuldades na prática. MÉTODOS: O estudo é exploratório, transversal, qualitativo e descritivo. Aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa e os critérios de inclusão foram, além da maioridade, a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A amostra foi de 120 médicos e 160 pacientes. Como instrumentos de coleta foram utilizados dois questionários: um direcionado aos pacientes, baseado nos questionários FICA e HOPE, e outro direcionado aos médicos, embasado em questionário utilizado por King et al. (2013) modificado. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Os dados obtidos apontam que a maioria dos médicos se considera religioso e/ou espiritualizado, mas pequena minoria teve treinamento para abordagem do tema durante a graduação. Foi demonstrado ainda, que esses médicos que se consideraram espiritualizados, e os que foram preparados para fazer essa abordagem, não apenas realizaram-na na prática clínica, como também se sentiram mais confortáveis com essa prática .CONCLUSÃO: Foi concluído que os médicos com perfil mais religioso e/ou espiritualizado, assim como os que tiveram o tema abordado em suas formações acadêmicas, apresentaram maior índice de preocupação em abordar o assunto e menor desconforto à aplicação do mesmo na prática clínica. Assim, faz-se necessário a introdução do tema na formação deste profissional para que os mesmos sintam-se mais à vontade ao conversar sobre espiritualidade/religiosidade com seus pacientes.