82131

Liga Acadêmica de MFC da UFRGS: uma introdução à atenção primária

Favoritar este trabalho

Introdução: a escassez de médicos especialistas em Medicina de Família e Comunidade (MFC) no Brasil é um dos fatores que dificultam a Atenção Primária à Saúde (APS) a atingir o seu potencial de resolutividade e otimização de recursos do sistema de saúde. Um dos motivos para isso é a pequena presença de assuntos ligados a essa especialidade nos currículos das faculdades de medicina. Objetivos: dar maior visibilidade aos conhecimentos e práticas características da APS e da MFC, apresentando a área como uma possibilidade de especialização. Metodologia: trata-se de um projeto de extensão da UFRGS, contando com um professor orientador, um estudante bolsista, cinco organizadores e quarenta ligantes. As atividades constantes e principais consistem em aulas teórico-práticas quinzenais sobre temas ligados à APS e à MFC e atendimentos ambulatoriais feitos por estudantes a partir do terceiro ano. As consultas ambulatoriais têm preceptoria de profissionais da MFC e capacidade de atender até 8 pacientes por dia, ocorrem nas segundas-feiras, na Unidade Básica de Saúde Santa Cecília. O projeto busca atender ao tripé ensino-pesquisa-extensão, com participações esporádicas em pesquisas e educação em saúde. Discussão: a Liga de Medicina de Família e Comunidade da UFRGS foi recriada em 2013 e, desde então, tem buscado incrementar a formação da faculdade com práticas características dessa especialidade, tais como Método Clínico Centrado na Pessoa, Prevenção Quaternária, atenção aos determinantes sociais em saúde e princípios da APS. Em um contexto universitário onde há pouca ênfase na MFC somado à aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais de medicina, nossa liga torna-se um instrumento de ensino necessário.