Capoeira Angola e o Berimbau Afinado

Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Detalhes
  • Tipo de apresentação: Trabalho
  • Eixo temático: ARTES
  • Palavras chaves: Percussão afro-brasileira; Berimbau (afinação); Capoeira Angola;
  • 1 Unicamp

Capoeira Angola e o Berimbau Afinado

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Unicamp

Resumo

Berimbau, instrumento africano recriado no Brasil, junto com o jogo da Capoeira e outras manifestações culturais de resistência negra. Com uma corda só, esse instrumento tem um valor afetivo para o brasileiro: ele é um símbolo, um instrumento sagrado, seu feitio tem segredos resguardados pelos Mestres e guardiões dessa tradição, existe espiritualidade e tradição religiosa desde o momento da colheita da madeira na mata, até o tocar e cantar dentro do ritual da roda de Capoeira. O mundo se encantou pela capoeira, e hoje o berimbau está em muitos lugares, desde palcos, países estrangeiros, orquestras, nas ruas e escolas e também na Academia. É um instrumento utilizado por músicos renomados como Naná Vasconcelos entre muitos outros que usaram o instrumento em seus arranjos e composições, e atualmente ele é livre, e é tocado dentro e fora da Capoeira. Mas, como afinar um berimbau sendo um percussionista não-capoeirista? para tocar em uma orquestra que tem muitos instrumentos? O berimbau, é um instrumento que não tem tarraxa de afinação, e sua afinação depende dos conhecimentos de luthieria do artesão que o constrói, é através de diversos ajustes que o berimbau consegue atingir determinada nota. Sendo que esses conhecimentos são resguardados por Mestres que levam os saberes da Capoeira através da oralidade.

Apoio/Financiamento da Pesquisa: PIBIC/CNPq

Questões (6 tópicos)

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

 A Capoeira desde o início de seus registros oficiais, que tem como marco o  período Joanino (1808-1821), apareceu na história como alvo de repressão, perseguição e severas punições para quem era pego em exercício de capoeiragem, que, nessa época, não era bem a prática que conhecemos hoje. Ela, desde sua origem(incerta), foi criminalizada, assim como a maioria ou todas as práticas do povo negro, na época escravizados (tal qual o samba que também era perseguido no ínicio da Republica)

Constituiu-se nela uma técnica em que se escondem certas informações daqueles que não fazem parte da capoeiragem, especialmente seus perseguidores: os apelidos escondiam o nome; o chapéu os rostos; toques específicos do conjunto de instrumentos da roda de capoeira indicavam movimentações específicas para situações de roda ou chegada dos senhores/polícias; as próprias movimentações do jogo expressivas dançantes escondem sua eficiência marcial; como luta efetiva, mostrando-se  apenas como uma dança inofensiva.

As letras das cantigas são códigos que ou resguardam tradições: dizem algo sobre a capoeira ou sobre a roda de capoeira; ou são desabafos/louvações à cerca da vida (relações de poderes entre si, sua história, seus "heróis", as injustiças, as críticas sociais, etc...).

Na música está praticamente toda a indentidade da capoeira como a vemos hoje tendo como símbolo maior o Berimbau, mesmo esse tendo sido introduzido posteriormente... Nela se preserva a "ancestralidade" e a "religiosidade" dos que a praticam e dos que a praticavam, nela se dita o ritmo do jogo e o que fazer em roda:

 

"Santo Antonio é protetor

Da barquinha de noé"

 

"Sua coroa de ouro é mariuô(mariwô)"

 

"Valha-me Deus

Senhor São Bento

Buraco velho tem cobra dentro"

 

"Sou eu Humaitá

Sou eu Humaitá, sou eu"

 

"Paranauê paranauê, paraná"

 

"Vi jararaca no cajueiro

Meu senhor mandou matar"

 

"Trabalha negro negro trabalha

Trabalha negro pra não apanha"

 

São símbolos "negaciados", simulados, onde só os iniciados entendem, a forma oitiva, sigilosa e marginal ajudou a resguardar os segredos e a integridade da capoeira e do capoeirista,  se transformando em algo místico para os não conhecedores da arte.

Essa didática da presença, do ouvir (oralidade),  remete às raízes africanas onde se valoriza e preserva o saber e a vivência dos mais velhos dentro da comunidade. Sendo assim, o capoeirista tinha que permanecer na capoeira até aprender a apreender a sua cosmologia; o que faria com que ele entendesse os significados, códigos e fundamentos da mesma. Sendo assim, o capoeira deveria conquistar a confiança, cativar o mestre, ganhar o respeito e mostrar-se merecedor do conhecimento guardado por ele.

A campanha da Capoeira como esporte nacional durante a Era Vargas (tendo como Mestre Bimba o seu baluarte com a Luta Regional Bahiana: a Capoeira Regional) e seu resgate cultural feito pelos intelectuais destacando seu valor histórico, cultural e folclórico, trouxe uma diversidade de público que foi além da presença dos negros africanos e/ou crioulos (segunda metade séc XIX).

Com a chegada desse público e a ideia de globalização da capoeira como esporte, a luta-cultura-ritual marginal, começa a se moldar em padrões mais comerciais e aceitos socialmente com enfoque nos saltos acrobáticos, vigor físico e na luta contundente e franca (aspecto marcial). Nesse sentido, a Capoeira se distanciou de alguns valores, e uma geração foi quase completamente formada longe dessa musicalidade que resguarda toda sua essência: essa tecnologia negra de resistência; de existência.

Esse saber foi resguardado por alguns, pode-se dizer que na Capoeira Angola através de Mestre Pastinha, que foi um dos contrapontos à Capoeira Regional de Mestre Bimba em meados de 1940 (a capoeira tem basicamente dois estilos: Capoeira Angola e Capoeira Regional, há também a Capoeira Contemporânea fora outros estilos com menores públicos). Entre outros que apreenderam seu valor cultural, enquanto seu valor marcial estava em evidência. As gerações mais novas estão na busca por resgatar todos esses fundamentos.

Historicamente, existe a necessidade de resguardar os segredos das cantigas; acredito que o fato de eu ser capoeirista há 10 anos me ajudou a apreender alguns dos segredos falados pelos mestres, mas acredito que se eu tivesse transcrito as entrevistas diretamente do “hálito” dos mestres, poucas pessoas entenderiam, e conseguiriam tirar uma informação clara e não contraditória (as entrevistas foram transcritas na íntegra, no entanto, a análise dos dados foi feita em cima de minha interpretação das falas).

A capoeira, assim como o ser humano, é uma arte contraditória, incoerente e viva, assim sendo, sempre em transformação.

 

“Capoeira angola, mandinga de escravo em ânsia da liberdade. Seu princípio não tem método e o seu fim é inconcebível ao mais sábio capoeirista. Capoeira é 

amorosa, não é perversa. Ela é um hábito cortês que criamos dentro de nós, uma coisa vagabunda.” - Mestre Pastinha

O esconder, a "negaça", a "manha" e a "mandinga" natural da cultura da Capoeira está presente em sua didática. Os mestres não falam, com quem não confiam, em assuntos desse porte, então, é interessante entrevistar pessoas próximas, onde já existe um vínculo de confiança.

Esse resguardo, esse cuidado, com certeza tem a ver com o quanto foi explorada a capoeira, sua mundialização, o carinho e afeto que os mestres têm por essa história de luta negra documentada na arte viva da Capoeira.

 

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Gratidão Julinha querida por comentar nesse tópico, por interagir com minha pesquisa, por me indicar esse material para leitura, por me ajudar a refletir sobre os pontos levantados! espero ter respondido sua pergunta!! o Ed me ajudou a escrever também, foi um super exercício!!!

vou procurar sua pesquisa e vou me envolver com ela tambem hehehe!!

beijocas! é uma honra ter o parabéns de uma mina negra doutora na academia!!! muito orgulho querida! gratidão to colada nessa luta!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Gratidão Trenel Fredy!!!! uma honra ter o reconhecimento de um capoeira aqui na plataforma Galoá! abssss tamo juntoo

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Muito Obrigada Trenel Fredy!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Muito Obrigada Noemi!!!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

minha inspiração é você mulher arretada baiana da gema!!! te amo demais orgulho de te ter como mais que amiga na minha vida!!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Muito Obrigada por estar comigo em cada conquista da minha vida! e por as  vezes ate me carregar nas horass dificeis!!! esse trabalho é pra voce!!

Autor

Clara Tomie Yamasaki Rodriguez

Muito Obrigada por estar comigo em cada conquista da minha vida! e por as  vezes ate me carregar nas horass dificeis!!! esse trabalho é pra voce!!