33462

ACÚMULO DE CARBOIDRATOS NAS MICROALGAS Spirulina platensis E Chlorella homosphaera VISANDO A PRODUÇÃO DE BIOETANOL

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

No âmbito da bioenergia, especial atenção tem sido dada para a utilização de espécies microalgais para a produção de bioetanol e biodiesel, sendo necessário para estas aplicações, o acúmulo de carboidratos e lipídios intracelulares, associado a um bom crescimento celular. Este estudo objetivou comparar a produção de biomassa com elevado teor de carboidratos pelas microalgas Chlorella homosphaera e Spirulina platensis LEB 52. As concentrações de nitrogênio e cloreto de sódio nos cultivos de C. homosphaera e S. platensis LEB 52 foram alteradas para induzir a síntese de carboidratos. Estes cultivos foram realizados em condições mixotróficas, com adição de glicose. As microalgas C. homosphaera e S. platensis LEB 52 produziram 16,32 mg. L-1.d-1 e 116 mg. L-1.d-1 de carboidratos por dia, respectivamente, quando cultivadas com 50% a menos de nitrogênio e cloreto de sódio 20% e 10% a mais, em relação ao experimento controle. A adição de glicose foi um fator essencial para o crescimento das microalgas, resultando no aumento da biomassa de até 2.79 e 3,45 vezes para C. homosphaera e S. platensis LEB 52, respectivamente. A microalga Spirulina apresentou características melhores do que a Chlorella em relação a capacidade de crescimento e síntese de carboidratos intracelulares.