100365

REVISTAS DE SAÚDE COLETIVA NA DIVULGAÇÃO VIA FACEBOOK

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Apresentação/Introdução
As redes sociais na internet, como o Facebook, vêm modificando a forma de acesso à informação e da interação entre as pessoas. Na comunicação científica, a interação entre a fonte de informação e o usuário pode favorecer a disseminação da ciência. Revistas científicas usam as redes sociais, inclusive com o incentivo do SciELO.


Objetivos
O objetivo do estudo é apresentar as características das revistas de saúde coletiva do Brasil quanto ao uso do Facebook como forma de divulgação da ciência e quais dessas características influenciam na interação entre os usuários e as revistas.


Metodologia
Trata-se de estudo sobre o uso do Facebook por revistas da área de saúde coletiva, alicerçado em etnografia virtual e na análise de redes sociais. Foram selecionadas quatro revistas do Fórum de Editores de Saúde Coletiva da Abrasco, indexadas no portal SciELO e que usam a rede social: Cadernos de Saúde Pública; Ciência & Saúde Coletiva; Interface e Revista de Saúde Pública.
As análises das páginas, baseadas em dados públicos do Facebook, foram feitas por um período de seis meses (fevereiro a julho de 2017) quanto ao número de seguidores, tipo e frequência de postagens, temas e as interações (reações) com os usuários. Foram consideradas reações simples, com um só clique, e complexas.



Resultados
As postagens são diferentes, as mais simples, só com links para os artigos, e as mais elaboradas, com textos introdutórios e fotos. Interface, com postagens simples, publicou mais, 94 vezes, contudo teve o menor número de reações no total, 9,5%. Ciência & Saúde Coletiva, com postagens diversificadas, publicou 12 vezes, entretanto teve o maior número de reações simples, 62%. Interface, com 6125, tem mais seguidores. As outras três têm números parecidos, sendo que Cadernos de Saúde Pública tem menos, 1978. Quanto aos temas, quatro deles concentram 86% de todas as postagens. Saúde Ambiental (3,5%) e Vigilâncias e Regulação em Saúde (2,3%) são os temas que menos aparecem nas postagens.


Conclusões/Considerações
Concluímos que postagens visualmente mais elaboradas aumentam a interação. Contrariamente à hipótese inicial, concluímos que o número de seguidores e de postagens das páginas não são determinantes para maior interação entre as revistas e os usuários do Facebook. É possível sugerir que, ao abrir um comentário, mesmo pela própria página, há um favorecimento à conversa. Há temas praticamente esquecidos pelas revistas.