100243

RELAÇÃO ENTRE AUTOAVALIAÇÃO DA SAÚDE E MATERNIDADE: ANÁLISE EM BASE DE DADOS NACIONAL PNS 2013

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Apresentação/Introdução
Autoavaliação da saúde é medida preditora de mortalidade, morbidade e utilização de serviços de saúde. Estudos suecos encontraram que a autoavaliação de mulheres pode sofrer alterações em relação à maternidade, de modo que a do grupo com história reprodutiva recente é melhor em relação à do grupo sem história reprodutiva, e a do grupo com história reprodutiva anterior, pior.


Objetivos
Verificar se a relação entre autoavaliação da saúde e maternidade é observada também no Brasil, a partir dos dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013.


Metodologia
Os dados da PNS 2013 são resultantes de amostragem complexa. Foram consideradas para esse estudo 20.193 observações de moradores selecionados da pesquisa que representam 45.374.339 mulheres brasileiras com menos de 50 anos. Foram empregados modelos de regressão logística ordinal para as análises, com aplicação de pesos amostrais correspondentes. Foram utilizadas as variáveis autoavaliação da saúde, data do último parto, faixa etária, renda média domiciliar per capita, paridade e situação da família (nuclear ou não-nuclear).


Resultados
Não foram observadas diferenças estatisticamente significantes entre a autoavalição da saúde do grupo de mulheres com história reprodutiva recente e o grupo sem história reprodutiva, exceto para o grupo etário de 30 anos e mais, com maior frequência de autoavaliação muito boa e boa e menor de regular, ruim e muito ruim. O grupo de mulheres com história reprodutiva anterior avaliou sua saúde mais frequentemente como ruim e muito ruim em relação ao grupo sem história reprodutiva. Essas diferenças ficam mais evidentes ao se considerar a paridade e situação da família.


Conclusões/Considerações
É sugerido que a autoavaliação da saúde do grupo de mulheres com história reprodutiva recente é melhor ou não diferente da autoavaliação do grupo sem história reprodutiva, e que a do grupo com história anterior é pior. Os resultados obtidos apontam para a relação evidenciada nos estudos pioneiros, sugerindo que esta pode ser mais explorada para verificação de reprodutibilidade e potencial de generalização dos achados para outras populações.