99122
Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Apresentação/Introdução
Entende-se que a educação política para a classe trabalhadora deve ser orientada para descortinar os mecanismos de opressão que o Estado opera na condução das questões sociais. Torna-se, importante, então, compreender como os trabalhadores da saúde, durante a realização de um Curso de Formação Política em Saúde, (des) constroem a relação institucional entre política e Saúde Coletiva.


Objetivos
O trabalho analisa a percepção de trabalhadores na área da saúde sobre a relação política e Saúde Coletiva, participantes de um Curso de Formação Política em Saúde, apoiado na perspectiva marxista.


Metodologia
Esse curso teve a participação de 17 trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo realizado em 5 encontros, com duração de 4 horas cada. Priorizou-se a leitura de textos de Marx, intercalados com textos do campo da Saúde Coletiva, apoiado em metodologias ativas de ensino-aprendizagem. Tratou-se de compreender a natureza (e o conteúdo) das ‘perspectivas-significados’ atribuídos pelos trabalhadores - por meio de entrevista semi-estruturada -, como componentes intrínsecos do processo educativo em análise, assim como, de outro lado, levar em consideração os significados que os conhecimentos adquirem para estes participantes do curso.



Resultados
Os trabalhadores “Perceberam que as ações no contexto da saúde e da Saúde Coletiva são políticas”, sendo 4 proposições, 16% do total das proposições. Dizem: “Que nossas ações no contexto da saúde coletiva são políticas”; “Saúde é um exercício de política, em diversos âmbitos de poder e concepções.”; “Na graduação o contato com a saúde coletiva é pela gestão, epidemiologia e estudos qualitativos das ciências sociais, porém, raramente é abordado o escopo político dessas ações”; “Entender as motivações da construção do campo da saúde coletiva e o contexto político, econômico e social da época até agora foi fundamental pra compreender melhor esse campo, suas perspectivas e possibilidades.”


Conclusões/Considerações
A percepção de trabalhadores no Curso de Formação Politica em Saúde foi ampliada acerca da relação política e Saúde Coletiva. Passou-se de uma visão institucional, de operacionalização das Políticas Públicas, para uma visão de ver ‘o político’ como a forma de viver dos sujeitos em sua situação de classe. Compreendemos que a (des) construção neste processo de ensino-aprendizagem caracterizou-se com uma verdadeira (de) formação crítica.