99542

MODELIZAÇÃO LÓGICO-TEÓRICA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA PRESIDÊNCIA DA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ: UMA CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA

Favoritar este trabalho

Apresentação/Introdução
O Escritório de Projetos (EP) da Presidência da Fiocruz apoia à contratualização, negociação e execução de projetos alinhados à estratégia cooperativa da FIOCRUZ e aos princípios e diretrizes do SUS. A avaliação de desempenho (AD) do EP constitui-se importante desafio para gestores, considerando a multidimensionalidade do desempenho à luz dos componentes definidos no modelo lógico teórico (MLT).


Objetivos
Modelizar a estrutura, processos e finalidades do gerenciamento do escritório de projetos da presidência da Fiocruz de forma participativa e consensuada com os envolvidos e mapear os actantes da rede sociotécnica (RST) relacionada ao seu desempenho.


Metodologia
A construção do MLT do EP compreendeu três etapas desenvolvidas em oficinas de trabalho, registradas manual e graficamente. A primeira etapa envolveu análise documental do EP para o levantamento sobre a gestão dos projetos e componentes da estrutura, processos e resultados esperados; a segunda etapa envolveu elaboração do MLT de forma compartilhada com a equipe do escritório; a terceira etapa compreendeu o estabelecimento de consenso sobre o MLT, levantamento dos actantes envolvidos com a intervenção e construção da rede sociotécnica com base na Teoria do Ator Rede (TAR). Esses elementos conformaram o modelo de AD a ser realizado, considerando as funções e sentido das ações implementadas.


Resultados
A análise documental identificou que o EP tem sua estrutura e processos estratégicos, finalísticos e de sustentação mapeados. A elaboração do MLT possibilitou a revisão e inclusão dos resultados esperados. A documentação, os registros e relatoria das oficinas permitiram tanto a elaboração do MLT, como de sua validação. Os actantes envolvidos foram identificados e observou-se sua multiplicidade e distintos modos de atuação, conformando unidades quase independentes de ação, com agenciamentos, interesses e controvérsias nas relações estabelecidas com o Escritório. O modelo de AD contemplou funções de adaptação, valores, ações e produtos, e metas, considerando os elementos do MLT e da RST.


Conclusões/Considerações
O processo de modelização do escritório de projetos e de configuração da rede sociotécnica de forma compartilhada possibilitou a construção do modelo de AD a ser implementado. Ambos os modelos foram elaborados com o envolvimento de técnicos e gestores. Correspondeu-se no processo à demanda por busca de excelência no desempenho das funções do EP, que visa à certificação de qualidade da gestão.