Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Apresentação/Introdução
Mesmo sob uma formação política deliberada, tradicionalmente os profissionais de saúde tendem a apresentar resistências na aprendizagem de conteúdos políticos. Visando identificar quais as percepções que os trabalhadores em formação política apresentam sobre essa resistência é que o estudo sobre os aspectos negativos deste processo de ensino-aprendizagem se faz necessário.


Objetivos
O objetivo do estudo foi analisar a percepção dos trabalhadores que atuaram como discentes em um curso de formação política em saúde sobre os pontos negativos relacionados ao processo ensino-aprendizagem vivenciado.


Metodologia
Para tanto, realizou-se uma pesquisa de abordagem qualiquantitativa. A metodologia de ensino foi baseada em uma mescla de métodos ativos (Sala de Aula Invertida, Questões Disparadoras e Tempestade de Ideias). Os 17 trabalhadores que participaram do curso foram solicitados a responder a uma entrevista não-estruturada cuja pergunta foi: “Descreva os pontos negativos que você percebeu no curso”. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo Clássica, do tipo frequencial, cujas unidades de análise textual foram as “proposições”. Este tipo de análise apresenta-se como a mais apropriada para uma primeira aproximação com o conteúdo, visando uma interpretação textual inicial


Resultados
Das 23 proposições no quais os conteúdos forma decompostos, pôde-se construir 12 categorias temáticas por semelhança léxico-semântica. Segundo os trabalhadores, o aspecto negativo mais frequente no processo ensino-aprendizagem vivenciado foi: “o tempo para debates e leituras dos textos nos encontros” 26,08% (6). Outros pontos negativos também tiveram uma expressão importante como: “o número de encontros” 13,04% (3) e “a falta de representatividade dos facilitadores” 8,69% (1). Outras categorias minoritárias versavam sobre outros aspectos negativos como por exemplo a metodologia do curso e o dispersamento da turma”.


Conclusões/Considerações
Os trabalhadores percebem que o “tempo” dos encontros durante o transcorrer do curso é o principal aspecto negativo. É possível dizer que a temporalidade dos encontros traz importantes inquietações aos debates e reflexões do grupo. Desta forma, entende-se que neste curso o tempo, apesar de trabalhado de forma intensa ainda é percebido com um problema a ser superado