101174

CYBERFEMINISMO, PÓS VERDADE E AS CESÁREAS NO BRASIL

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Período de Realização
De Janeiro a Novembro de 2017


Objeto da Experiência
Análise do conceito de pós-verdade nas informação sobre cesárea na internet e a mobilização de mulheres nas redes sociais na mudança deste realidade


Objetivos
Avaliar a qualidade da informação sobre de cesariana na Internet, identificando indicações “falsas” que pode influenciar as interações médico-paciente, a prestação de cuidados de saúde e a da militância nas redes sociais do movimento de mulheres.


Metodologia
Estudo transversal analítico de informações. A palavra cesárea e 25 sinônimos foram submetidas nas páginas web de livre acesso. O motor de busca - Google, navegador - Chrome. Foi utilizado o Discern (instrumento para leigos avaliarem a qualidade da informação em saúde), 16 perguntas respondidas em uma escala de 1 a 5, (1=Não e 5=Sim absoluto). Um checklist específico, foi aplicado para avaliar a abrangência de conteúdo das páginas web, quanto as indicações


Resultados
A maior parte (80%) do conteúdo na internet (n=175) sobre cesariana eram indicações (apenas 30% com base em evidência). Um blog identificou 160 indicações fictícias de cesáreas. A ONG Parto do Princípio, (PP) Movimento de Mulheres em Rede pela maternidade Ativa, fez uma denuncia ao Ministério Público, 2006, quanto ao abuso de CS praticadas no Brasil. A ação foi acolhida em 2010 e a ANS foi condenada em 2015 a implantar uma série de medidas de redução de cesárea nos hospitais privados


Análise Crítica
A internet é uma fonte de informação sem controle editorial e sem governança que favorece conteúdos falsos. A deficiência de acesso da informação está sendo suprida por novas tecnologias de informação. A internet favorece a prática da militância que se constrói no discurso entre convocar, informar e denunciar e esclarecer resultando uma inteligência coletiva de Cyber feminismo


Conclusões e/ou Recomendações
As redes sociais propiciaram a organização e comunicação de mulheres distantes geograficamente; as redes sociais deram voz às mulheres que anteriormente estavam à margem da produção de conteúdo, favoreceu a formação de um grupo multidisciplinar que teve poder de mobilização dos órgãos públicos do direto favorecendo mudanças na saúde