Favoritar este trabalho

Apresentação/Introdução
O Escritório de Projetos da Presidência da Fiocruz visa apoiar à negociação, à contratualização e à execução de projetos alinhados à estratégia cooperativa da FIOCRUZ e às diretrizes do SUS. Diante da necessidade de melhor conhecimento com relação aos investimentos em pesquisa e visando a melhoria da gestão e tomada de decisões, tem se investido na avaliação de desempenho e gestão do conhecimento.


Objetivos
Caracterizar as Cooperações Técnicas (CT) gerenciadas pelo Escritório de Projetos (EP) da Presidência da Fiocruz.


Metodologia
Estudo descritivo exploratório para compreensão das CT do EP desde sua implantação. A partir de sua constituição, o EP é responsável pela gestão de CT que já estavam em andamento e novas propostas. Na primeira etapa foi realizado levantamento de dados documentais, tomando as informações sobre CT e seus registros na Ficha Síntese, segundo categorias: tipo, unidade, objeto, fontes, financiamento, vigência e metas. Para análise será adotada uma abordagem quantitativa, a partir da estatística simples de distribuição por categorias, e outra qualitativa, visando identificar tipologia para classificação dos modos de CT e das variáveis categóricas referentes aos objetos e metas das cooperações.


Resultados
Foram levantados 71 CT, sendo 77,5% financiados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS/MS) e 22,5% por outros órgãos (Ministérios da Justiça, Meio Ambiente, das Cidades, da Educação, do Desenvolvimento Agrário, da Ciência e Tecnologia e Inovação). O maior volume de recursos, 92,8%, oriundo do FNS/MS, e 7,2% outros órgãos. As CT foram compreendidas em quatro categorias e desdobradas em subcategorias, pois cada CT continha várias metas pactuadas, constituindo diferentes projetos, atendendo diferentes demandantes. A Presidência da Fiocruz e duas Vice-Presidências foram as unidades responsáveis pela maioria das CT gerenciadas pelo EP, com as metas específicas sendo executadas por distintas unidades.


Conclusões/Considerações
Caracterizar as CT possibilitou a compreensão sobre sistema de ações para gestão de projetos. Observou-se a variedade de informações produzidas, porém pouco articuladas e sistematizadas diante dos objetivos institucionais. Identificou-se necessidade de maior aproximação entre EP, pesquisadores e gestores. A Ficha Síntese mostrou ter potencial para comunicação na rede do EP, gestão do conhecimento e melhoria na orientação para tomada de decisões.