Favoritar este trabalho

Apresentação/Introdução
Estudos recentes enfatizam a multidimensionalidade do capital social e o caracterizam como a presença de recursos que indivíduos podem acessar através de uma rede social. Sua associação com a depressão também tem sido explorada, pois acredita-se que possuir maior número de recursos disponíveis através das redes sociais pode atuar como um efeito protetor para a depressão.


Objetivos
Este estudo investiga diferenças de gênero na associação do capital social com a incidência e manutenção de episódios depressivos.


Metodologia
Foram utilizados dados da linha de base e de seguimento (4 anos) de uma grande coorte ocupacional multicêntrica com 14.390 adultos (ELSA-Brasil). O capital social foi avaliado por meio do Resource Generator composto por duas dimensões distintas: o apoio social e o prestigio/educação. Os episódios depressivos foram avaliados pelo questionário Clinical Interview Schedule-Revised (CIS-R). A análise estatística foi estratificada por gênero e realizada através do modelo de regressão multinomial com ajustes para possíveis fatores de confusão (idade, situação conjugal e escolaridade).


Resultados
Entre os homens, somente a dimensão apoio social mostrou-se associada tanto à incidência (RRR = 1,66; IC 95% 1,01 - 2,72) como à manutenção de episódios depressivos (RRR = 1,56; IC 95% 0,58 - 4,24). Entre as mulheres ambas as dimensões do capital estiveram associadas à manutenção em quatro anos de episódios depressivos (apoio social: RRR = 2,66; IC 95% 1,61 - 4,41 e prestígio/educação: RRR = 1,38; IC 95% 0,86 - 2,24). Entre as mulheres, o capital social não se mostrou associado à incidência de episódios depressivos.


Conclusões/Considerações
Para as mulheres o capital social baixo em ambas as dimensões foi associado positivamente com a manutenção de episódios depressivos. Entre os homens o apoio social foi identificado como risco para a incidência e manutenção de episódios depressivos. Os resultados destacam diferentes padrões de associação entre os sexos, confirmando a diferença de gênero encontrada na literatura tanto para o capital social e para a saúde mental.