100545

AVALIAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS IMPLANTADOS NA PRODUÇÃO E NA MANIPULAÇÃO DE FÓRMULAS LÁCTEAS INDUSTRIALIZADAS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Favoritar este trabalho

Apresentação/Introdução
As fórmulas lácteas podem ser veiculadoras de agentes patogênicos de doenças alimentares quando manipuladas de forma insegura e por apresentarem substratos para o desenvolvimento microbiano (PEREIRA et al., 2013). Portanto, o uso de Procedimentos Operacionais Padronizados é uma importante ferramenta da gestão no controle higiênico-sanitário, para a produção de um alimento de qualidade e inócuo.


Objetivos
Analisar os procedimentos operacionais padronizados na produção e manipulação de fórmulas lácteas, no setor de Lactário de um Hospital Universitário, com base nas análises microbiológicas realizadas.


Metodologia
Pesquisa aplicada (MARCONI; LAKATOS, 2011), realizada no Lactário de um Hospital, no Rio de Janeiro, 2016 e 2017. Metodologia: pesquisa de campo para avaliação do fluxo operacional, das condições físico funcionais e dos procedimentos operacionais através de lista de checagem; análise de atitudes dos manipuladores e pesquisa microbiológica de Coliformes a 35°C, Escherichia coli, Bactérias heterotróficas aeróbias mesófilas, Enterococcous spp. e fungos dentre outros, em superfícies, água e fórmulas infantis. Local das análises, Laboratório de Microbiologia da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense. Estatística, cálculo de Odds Ration e Teste qui-quadrado (LEVIN, 1987).


Resultados
O Lactário apresentou 92% de conformidade para os itens analisados e eficiência no fluxo dos processos estabelecidos. Entretanto, a pesquisa microbiológica indicou falhas operacionais com risco de contaminação para as fórmulas infantis. Foram obtidos resultados positivos para Enterococcus spp.,Coliformes Totais, Escherichia coli e Bactérias heterotróficas aeróbias mesófilas, na análise das superfícies e Enterococcus spp., Coliformes Totais, Escherichia coli e Bactérias heterotróficas aeróbias mesófilas nas fórmulas infantis. Esses resultados indicam falhas nas técnicas higiênico sanitárias das superfícies e humanas, tais como na higiene das superfícies e das mãos (FRANCO, 2012).


Conclusões/Considerações
Os Procedimentos Operacionais Padronizados implantados asseguram a qualidade sanitária das fórmulas infantis. Entretanto, os resultados microbiológicos positivos indicam a necessidade de constante treinamento dos manipuladores de alimentos, a fim de que os erros sejam corrigidos. É indicado, também, a revisão das técnicas de sanitização e/ou esterilização do material utilizado na produção das fórmulas, a fim de evitar riscos de contaminação.