Favoritar este trabalho

Apresentação/Introdução
Os estudos deixam claro que o trabalho interfere diretamente na vida do indivíduo, já que pode modificar o processo saúde-doença e, consequentemente, a percepção da própria saúde por este trabalhador. Como ferramenta para caracterizar essa percepção da saúde, encontra-se a questão de autoavaliação do estado de saúde, que vem sendo recomendada pela Organização Mundial da Saúde e tem ganhado respaldo na ciência.


Objetivos
Avaliar os fatores associados à autoavaliação negativa do estado de saúde das trabalhadoras de enfermagem do município de Feira de Santana.


Metodologia
Estudo de corte transversal, exploratório, com trabalhadoras de enfermagem (enfermeiras e técnicas de enfermagem) da atenção básica e de média complexidade do município de Feira de Santana na Bahia. A variável dependente foi a autoavaliação negativa do estado de saúde, a qual foi avaliada por meio de uma simples pergunta: “De um modo geral, em comparação a pessoas da sua idade, como você considera o seu estado de saúde?”. As variáveis de exposição foram: características sociodemográficas, características ocupacionais e os hábitos de vida e lazer. As técnicas envolvidas foram a análise bivariada e multivariada.


Resultados
Das 238 trabalhadoras do estudo, 27,3% eram enfermeiras e 72,7% eram técnicas de enfermagem. Do total de trabalhadoras, 87,4% avaliaram sua saúde como boa enquanto 12,6% avaliaram negativamente. As variáveis que apresentaram associação positiva com o desfecho foram: atividade de lazer (RP: 2,01; valor de p: 0,11), qualidade de vida (RP: 3,25; valor de p: 0,00), ter outro trabalho (RP: 0,38; valor de p: 0,15) e jornada de trabalho semanal (RP: 3,52; valor de p: 0,05). A área abaixo da curva ROC (Receiver Operating Characteristic) encontrada foi de 0.7318, indicando uma discriminação aceitável para o modelo final adotado.


Conclusões/Considerações
Como proposta imediata para uma melhor percepção da saúde pelos profissionais de enfermagem, poderiam ser aplicadas medidas no ambiente de trabalho que possibilitem integração da equipe de Enfermagem por meio de dinâmicas com vistas ao relaxamento (SILVA et al. 2006). Dessa forma, haverá uma melhora na qualidade de vida do enfermeiro e maior satisfação com o trabalho, o que refletirá na assistência prestada à população.