Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Apresentação/Introdução
A formação política na perspectiva marxista é uma proposta que pode contribuir com movimentos de resistência dos trabalhadores do SUS diante dos vários golpes sofridos. Todavia, uma formação que busca a emancipação do trabalhador ainda é um desafio e desta forma há necessidade de investigar propostas de melhoria dos processos de ensino-aprendizagem.


Objetivos
Analisar as propostas de melhorias sugeridas pelos discentes de um Curso de Formação Política em Saúde.


Metodologia
Tratou-se de uma pesquisa de abordagem qualiquantitativa. Foi realizada uma entrevista não-estruturada e solicitado aos 17 trabalhadores discentes responder à pergunta: “Descreva as suas sugestões para aperfeiçoar o nosso curso”. Foi utilizado a Análise de Conteúdo Clássica, do tipo frequencial, para realizar a análise dos dados. As unidades de análise textual foram as “proposições”. Este tipo de análise apresenta-se como a mais apropriada para uma primeira aproximação com o conteúdo, visando uma interpretação textual inicial.


Resultados
A partir do conteúdo das respostas identificou-se 23 proposições, emergindo 9 categorias temáticas por semelhança léxico-semântica. A categoria mais frequente foi a “O tempo é sempre o mais difícil” com sete proposições, 30,43% do total. Dessa categoria puderam ser observadas subcategorias impactadas pelo tempo: intervenção dos facilitadores, debate em sala e leitura dos textos. Outras categorias frequentes foram: “Acredito ser possível articular as aulas com esses outros formatos também.” com 5 proposições (21,73%) e “Compartilhar os conteúdos discutidos nos encontros anteriores”, “Sugestões de leituras extras” e “garantir continuidade da formação” que tiveram duas proposições cada (8,7%).


Conclusões/Considerações
O tempo foi um elemento transversal nas proposições e esteve relacionado com elementos importantes das metodologias ativas: a leitura em sala, discussão dos grupos e síntese dos facilitadores. Não houve nenhuma proposição contrária à metodologia ativa, mas outras metodologias foram apontadas, inclusive a tradicional expositiva.