69451

Atratividade da região nordeste do Brasil para novos investimentos na área de saúde

Favorite this paper

Entre 2003 e 2006, a região NE teve o segundo maior PIB do Brasil.No mesmo período, na região, o número de carteiras assinadas cresceu 4%. Em 2007, a parcela da população coberta por planos de saúde era de 8%, frente a média nacional de 19,3%. Entre 2006 e 2016, a quantidade de usuários de planos de saúde cresceu 60,4% enquanto a média no Brasil foi de 34,4%. A entrada de beneficiários se deu especialmente no plano de tipo coletivo empresarial. O consumo potencial atraiu investidores do setor de saúde. Esse estudo é uma análise de mercado sobre as expectativas atuais para novos investimento na região.Objetivo Geral: Obter um retrato da saúde privada no NE, destacando fusões e aquisições (M&A) entre 2007 e 2016Objetivo Especifico: Identificar quais estados do NE estão mais propensos a novos M&As, tomando por base análise de mercado, especialmente do market share de operadoras e o modelo das 5 Forças competitivas de Porter.Desenvolvimen A partir de 2004, lideraram M&A na região as empresas: Dasa, Fleury (NKB), Rede D'Or, Hapevida e Amil (fig 1). Em 2016: a) No Maranhão, há oferta de planos de cooperativas médicas, seguradoras e medicinas de grupo, sem concentração de mercado em nenhuma dessas modalidades. Há pouca cobertura suplementar (7,2%) e 65% dos beneficiários estão na capital; b) Ceará é o terceiro estado do NE com maior número de vidas e a Hapvida tem 39,9% da oferta de planos; c) Em Alagoas e Paraíba quase metade da população tem Unimed; d) No Piauí, 53% do mercado é medicina de grupo e há menos beneficiários (9% pop.); e) A presença das seguradoras é menos expressiva em Sergipe, Alagoas e Rio Grande do Norte. Em Sergipe, o número de indivíduos com acesso à saúde suplementar é baixo (317 mil) e já há hospitais de referência para uma área coberta menor; f) A participação de mercado de seguradoras é maior na Bahia (23,5%); g) Em Pernambuco, o número de beneficiários cresceu 60,5% entre 2000 e 2016, mas não há déficit relevante de leitos privados. (fig 2)Conclusão: De acordo com a Teoria das 5 Forças, os prestadores de serviços de saúde tendem a preferir investimentos em praças com menor dependência de comprador, maior demanda e menor concorrência (seguradoras não podem ser verticalizadas). Logo, Bahia e Maranhão são as opções atuais mais atrativas para M&A1 - IBGE. Brasília, 20072 - PORTER, Michael. Competitive Strategy:NY: Free Pres