69696

Aplicação da escala SWIFT para avaliação do risco de reinternação nas Unidades de Terapia Intensiva Adulto e Cardiológica em Hospital Universitário de Campinas

Favorite this paper

As condições para alta de pacientes de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) devem ser avaliadas diariamente pela equipe multidisciplinar, com base em evidências clínicas, características individuais e subjetivas, para que se determine o momento ideal da saída da UTI1. Sabe-se que a alta prematura é responsável por 22-44% das readmissões, e esses pacientes apresentam maior mortalidade2.O Stability and Workload Index for Transfer (SWIFT) é um score que mede as condições adequadas para alta da UTI com pontuação de 0 a 64, sendo que quanto maior for a pontuação, maior é o risco de reinternação2. O objetivo deste trabalho é relatar a experiência de utilização do score SWIFT para identificar pacientes com risco de reinternação nas UTI Adulto e Cardiológica de um hospital universitário privado, de grande porte, no interior do estado de São Paulo. Os dados foram coletados no mês de outubro de 2016. Os critérios para inclusão foram pacientes adultos, maiores de 18 anos, internados em UTI Adulto e Cardiológica, da referida instituição. Foram avaliados 79 pacientes com indicação de alta; 11 pacientes apresentaram score >15 (alto risco); ocorreu uma reinternação no período, com desfecho de alta. A taxa de reinternação foi de 1,26%.Conclui-se que o score auxiliou na identificação dos riscos dos pacientes e contribuiu na transição para as unidades de destino, permitindo recomendações específicas de cuidados para cada paciente, evitando assim as reinternações. 1 Araujo TGA et al. Readmissões e óbitos após alta da UTI - um desafio da terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2013;25(1):32-38. [citado em 2016 out. 04]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2013000... 2 Oakes DF et al. Avaliação de riscos de readmissão em UTI através do escore Stability and Workload Index for Transfer. J Bras Pneumol. 2014;40(1):73-76. [citado em 2016 out. 04] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v40n1/pt_1806-3713-jbpneu-40-01-00073.pdf