Efetividade e Segurança dos Imunossupressores no Tratamento da Hepatite Autoimune: uma Revisão Sistemática

Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Detalhes
  • Tipo de apresentação: Apresentação Oral
  • Eixo temático: Metodologia e resultados de estudos de ATS - Sala 2
  • Palavras chaves: hepatite autoimune; Imunossupressores; revisão sistemática;
  • 1 Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
  • 2 Faculdade de Medicina de Botucatu - Universidade Estadual Paulista- UNESP-
  • 3 UNESP

Por favor, faça o login para assistir o vídeo

Entrar
Resumo

INTRODUÇÃO: A hepatite autoimune (HAI) é uma doença inflamatória crônica do fígado cuja incidência tem aumentado e que ainda apresenta alta mortalidade. Em 2016, um estudo demonstrou que, apesar dos diversos guidelines publicados, sua abordagem ainda é baseada na opinião de especialistas e não em evidências e que, mesmo entre hepatologistas experientes, há grande variação em sua abordagem e ampla experiência com terapias de segunda linha. Assim, o objetivo desta revisão foi responder: qual a efetividade e segurança dos imunossupressores de primeira e segunda linha empregados no tratamento da HAI? MATERIAL E MÉTODOS: A revisão foi elaborada de acordo com a Colaboração Cochrane e as Diretrizes Metodológicas do Ministério da Saúde e seu protocolo foi publicado na base PROSPERO sob o número de registro CRD42020147217. RESULTADOS: As estratégias de busca identificaram 4762 referências. Dois avaliadores fizeram a seleção inicial através dos títulos e resumos, recuperando 104 artigos para leitura na íntegra. Três estudos foram selecionados, e 101 foram excluídos. Cada estudo incluído teve seu risco de viés classificado de acordo com a Ferramenta da Colaboração Cochrane. Os 3 são ensaios clínicos randomizados. O primeiro comparou a manutenção da dose inicial de azatioprina com redução da dose inicial de prednisolona versus a descontinuação da azatioprina e manutenção da dose inicial de prednisolona (após remissão da HAI atingida com terapia combinada de prednisolona e azatioprina), e concluiu que houve menor recidiva em pacientes que se mantiveram em terapia combinada. O segundo comparou o uso de azatioprina em monoterapia versus a manutenção da terapia combinada de prednisolona e azatioprina (após controle da doença com terapia combinada), e concluiu que a remissão da HAI pode ser mantida com uso de azatioprina em monoterapia, havendo benefício da interrupção da corticoterapia. O terceiro avaliou a eficácia da budesonida em comparação à prednisona (ambas em combinação com azatioprina), e concluiu que a budesonida em combinação com azatioprina induz e mantem a remissão da HAI, com baixa taxa de efeitos colaterais relacionados à corticoterapia. Não foi possível plotar os resultados em uma metanálise. DISCUSSÃO: A inclusão de apenas 3 ensaios clínicos randomizados após processo sistemático de busca nas mais importantes bases de dados da área da saúde, sem limitação de idioma ou ano, evidencia a insuficiência da evidência disponível sobre o assunto, reafirmando a necessidade de mais ensaios clínicos randomizados para se obter um manejo da HAI baseado em evidências e não meramente na experiência de especialistas.

Questões (2 tópicos)

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!

Autor

Bruna Sousa Fernandes

Muito obrigada, professor! Sou grata pela oportunidade de realização deste projeto. Aprendi muito com ele. Infelizmente, realmente esta foi a conclusão à qual foi possível chegar... 
Autor

Bruna Sousa Fernandes

Olá, Bianca, eu que agradeço a atenção e os elogios!! Fico muito feliz, e também fico aberta a sugestões do que melhorar (tanto no trabalho quanto na apresentação), fique à vontade. Quanto à escolha do tema, inicialmente procurei o Dr. Carlos Caramori com interesse em realizar uma iniciação científica pois havia feito monitoria com ele em uma disciplina. Ele tinha afinidade com o tema hepatite autoimune, e me mostrou o artigo que citei na apresentação (https://doi.org/10.1111/apt.13907), que questionou hepatologistas membros do grupo internacional de hepatite autoimune e concluiu que mesmo entre especialistas, a abordagem da doença variava, e o uso de medicações de segunda linha ocorria com frequência.  Ele sugeriu que usássemos isso como motivação para uma revisão sistemática sobre o tratamento da hepatite autoimune, de modo a verificar as evidências disponíveis. Somado a isso, há também o fato de que, no SUS, os únicos medicamentos disponibilizados são a prednisona e a azatioprina, sendo que, como o artigo citado comenta, outras medicações são muito utilizadas mundo afora. Então um dos objetivos também era analisar se haveria justificativa para a disponibilização de outras medicações pelo SUS... Infelizmente, o que conseguimos foi confirmar que se trata de um campo com escassez de evidências... Devo ressaltar que desde o começo o projeto foi pensado para ser realizado em conjunto com a Dra. Vania Nunes, que possui um excelente domínio sobre a metodologia, o que tornou esta revisão possível!