TRATAMENTOS PARA CÂNCER DE MAMA NO CEARÁ: COMPARAÇÃO ENTRE ANTES E DURANTE A PANDEMIA

Vol 2, 2021 - 140793
Pôster Eletrônico - PE10 - Epidemiologia das doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT) - Câncer (TODOS OS DIAS)
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

Objetivo: Identificar o tratamento realizado com maior frequência em mulheres com câncer de mama antes e durante a pandemia de COVID-19. Método: Estudo ecológico, retrospectivo, realizado com dados secundários extraídos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde pertencente ao Ministério da Saúde e tabulados no TABNET coletados a partir da categoria “Tempo até o início do tratamento oncológico - PAINEL – oncologia”. Verificou-se os registros das modalidades terapêuticas destinadas aos casos de neoplasia maligna da mama (C50) no Estado do Ceará durante os anos de 2019 e 2020. Os dados foram analisados por meio de frequência absoluta e desvio padrão. Resultados: Em 2019, foram realizados 1.567 (DP±521,356) tratamentos oncológicos destinados ao câncer de mama no Estado do Ceará, sendo a quimioterapia a modalidade terapêutica mais frequente com 1.116 (71,22%), seguida pela cirurgia com 312 (19,91%) e radioterapia com 139 (8,87%). No ano de 2020 totalizou-se 1.590 (DP±659,415) tratamentos, que seguiram o mesmo padrão do ano anterior, porém com aumento da realização dos tratamentos quimioterápicos, correspondendo a 1.285 (80,82%) e diminuição da cirurgia e radioterapia, com 238 (14,97%) e 67 (4,21%), respectivamente. Conclusões: A quimioterapia é o tratamento mais realizado para o câncer de mama no Ceará antes da pandemia e na vigência dela. Entretanto, a radioterapia e a cirurgia apresentaram decréscimo em sua realização, podendo ser reflexo do redirecionamento do sistema de saúde para preservar a sua capacidade, bem como dos riscos aos quais os pacientes oncológicos estavam expostos.

Eixo Temático
  • Epidemiologia das doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT)