DIFUSÃO ESPACIAL DAS ARBOVIROSES EM PERÍODOS EPIDÊMICOS EM FEIRA DE SANTANA

Vol 2, 2021 - 141220
Pôster Eletrônico - PE21 - Epidemiologia das doenças transmissíveis - Dengue, Zika, chikungunya e outras arboviroses (TODOS OS DIAS)
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

Objetivo: analisar a difusão espacial das arboviroses, em períodos epidêmicos com circulação simultânea de dengue, chikungunya e Zika. Métodos: Estudo ecológico de agregados espaciais e temporais das ondas epidêmicas de 2014 e 2015, em Feira de Santana, BA. Os casos notificados no SINAN foram georreferenciados e quatro métodos foram aplicados para analisar a difusão espacial: Estimativa de Kernel com mapas sequenciais, razões cumulativas dos vizinhos mais próximos (NNI), correlogramas espaciais e mudanças de autocorrelação local (LISA) ao longo do tempo. Resultados: Em 2014 e 2015 foram notificados 1.883 e 6.975 casos de arboviroses, respectivamente. A incidência em 2014 foi de 149,2 e 158,5 casos/100.000 hab para dengue e chikungunya. Em 2015, foi de 293,6; 583,3 e 262,6 casos/100.000 hab para dengue, chikungunya e Zika, respectivamente. A distribuição temporal dos casos evidenciou duas ondas epidêmicas de circulação simultânea: em 2014, da Semana Epidemiológica (SE) 29 a 52 e em 2015, da SE 01 a 40. A inspeção visual dos mapas de Kernel indicou que as arboviroses se disseminaram dos epicentros para áreas vizinhas. As razões do NNI foram distribuídas em gráficos e modeladas com curvas de regressão, sendo que as curvas-S e inversas foram as que melhor se ajustaram à distribuição das três arboviroses. Os correlogramas espaciais mostraram características semelhantes, com declínio no I de Moran ao aumento dos lags espaciais. As mudanças do LISA no tempo sugeriram padrões de expansão e também hierárquicos. Conclusão: O padrão de difusão predominantemente identificado pelos quatro métodos foi de expansão, nas duas ondas epidêmicas.

Eixo Temático
  • Epidemiologia das doenças transmissíveis