45551

TAXA DE ABSENTEÍSMO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL DE ENSINO

Favorite this paper

Introdução: Os profissionais que atuam em Centro Cirúrgico estão constantemente expostos a eventos traumáticos, onde o objeto de trabalho é a vida humana. Tais fatores têm acarretado um nível elevado de estresse, que repercute psicologicamente em toda a equipe e não raro gera ansiedade, depressão e doenças. O absenteísmo consiste na prática do trabalhador ausentar-se do trabalho por um ou mais dias, quando foi-lhe atribuído o dia. Esse índice ou taxa deve ser monitorado constantemente, para que se conheçam as causas que levam a essas ausências e para a definição da quantidade de profissionais que deve ser reposta. Objetivo: Verificar a taxa de absenteísmo dos profissionais de enfermagem do centro cirúrgico de um hospital de ensino. Método: Descritivo, exploratório, quantitativo, retrospectivo, documental, realizado em um centro cirúrgico composto por 26 salas operatórias, porte extra, nível quaternário, a partir de registros coletados pelas enfermeiras ao final de cada período de trabalho diariamente, tabulado mensalmente conforme a fórmula proposta pelo Compromisso pela Qualidade Hospitalar (CQH). Resultados: A unidade conta com 12 enfermeiros e 159 técnicos de enfermagem divididos em cargas horárias diversas, com média de 1875,5 horas trabalhadas pelos enfermeiros e de 20353,5 pelos técnicos de enfermagem, com uma taxa de absenteísmo geral de 4,25%. Sendo que o período noturno com 43% apresentou maior índice que os demais. Enfermeiros apresentaram taxa inferior (1,17%) aos técnicos de enfermagem (5,12%). Discussão: Nas análises comparativas realizadas através dos indicadores do CQH, a taxa de absenteísmo apresenta uma mediana (2,84%) que é inferior ao deste estudo (4%). A média geral também é inferior sendo (2,20%) para enfermeiros e (4,25%) para técnicos. Pesquisa realizada na mesma instituição, nas unidades de internação, apresenta 85% dos trabalhadores com absenteísmo mostrando taxa superior ao deste estudo. Em pesquisa realizada em um hospital escola semelhante, a classe profissional de nível técnico, também apresenta uma parcela de absenteísmo maior que a de enfermeiros, essa ocorrência demonstra que quanto mais baixo o nível hierárquico dos trabalhadores de enfermagem, maior a probabilidade de afastamentos. Conclusão: Podemos dizer que controlar o absenteísmo demanda uma caracterização e uma intervenção muito mais focada na prevenção. Este indicador mostra-se exequível na unidade, se fazendo necessário buscas para verificar as causas do absenteísmo, traçando estratégias eficazes buscando uma gestão desse indicador.