50126

PREVENÇÃO DE ÓBITOS POR SEPSE POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DO SCORE DE ALERTA PRECOCE MEWS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Favorite this paper

As alterações fisiológicas, que traduzem deterioração clínica, podem denunciar precocemente os pacientes reais ou potencialmente críticos, que necessitam de monitorização especial nas enfermarias1. Muitas vezes esses sinais estão associados a um quadro de sepse, lembrando que a sepse grave e o choque séptico lideram as causas de admissão, morbidade e mortalidade em Unidades de Terapia Intensiva (UTI)2. A demora na identificação desses pacientes implica no atraso de intervenção e, consequentemente, no aumento da mortalidade hospitalar. Vários estudos demonstraram que os escores de alerta precoce constituem uma ferramenta simples na identificação de pacientes com risco iminente de morte, beneficiando-os de admissão à UTI1. Entre as suas versões, particular atenção tem chamado o Modified Early Warning Score (MEWS). Esse escore é baseado na monitorização de parâmetros fisiológicos: pressão arterial sistólica, pulso, frequência respiratória, temperatura e nível de consciência3. O objetivo deste estudo foi relatar a experiência de um hospital universitário na utilização do score MEWS para detecção de pacientes com sinais de sepse, no intuito de prevenir/reduzir complicações e óbitos. Trata-se de um relato de experiência sobre a utilização do score MEWS para detecção precoce de sinais de sepse em pacientes internados nas enfermarias. Realizado em um hospital universitário, de grande porte, no interior do Estado de São Paulo. A amostra constituiu-se de 964 casos, dos anos de 2014 e 2015. Resultados: A utilização do score permitiu identificar 490 pacientes em 2014 e 474 em 2015, com sinais de sepse. Esses pacientes foram imediatamente inseridos no protocolo de prevenção de sepse evitando a evolução para sepse grave ou choque séptico e prevenindo óbitos. Em 2014, o índice de prevenção de óbitos foi de 431 (87,5%), sendo que dos 59 (12,5%) óbitos ocorridos por sepse, 56 (95%) foram classificados como inevitáveis. Em 2015, 418 (88,2%); dos 56 (12,5%) óbitos por sepse, 56 (100%) inevitáveis. Discussão: A identificação precoce dos pacientes permitiu a prevenção de complicações e, consequentemente, dos óbitos, corroborando com outro estudo no qual a utilização de bundles para a prevenção de sepse grave e choque séptico associaram-se à redução da mortalidade hospitalar2. A análise dos óbitos contribuiu para o reconhecimento das causas, amadurecimento da equipe e implantação de ações de melhoria. Os óbitos inevitáveis relacionaram-se a condição clínica desfavorável atrelada ao cumprimento de todos os marcadores do protocolo. A utilização do score instrumentalizou o enfermeiro para o reconhecimento e manejo de pacientes em situações de deterioração, reforçando os achados de outra pesquisa que descreve aumento da confiança, senso crítico e aprendizagem4. Conclusões: A utilização do score MEWS para detecção dos pacientes com sinais de sepse demonstrou-se eficiente na redução de complicações e prevenção dos óbitos.