49887

Caracterização das flebites encontradas em pacientes adultos internados em um hospital terciário de cardiopneumologia.

Favoritar este trabalho Entre em contato com os autores

Introdução: A terapia intravenosa é uma prática que requer do profissional de enfermagem conhecimento dos fatores que podem causar complicações não desejadas, como a flebite. Objetivo: Este trabalho teve como objetivo caracterizar as ocorrências de flebite em pacientes adultos procedentes de unidades de internação. Método: Trata-se de um estudo descritivo e retrospectivo. Os dados foram coletados em 7 unidades de internação de um Hospital terciário de Cardiopneumologia, a partir do registro dos Eventos Adversos de Flebite. A amostra foi constituída por 57 casos de flebite no período de dezembro de 2014 a setembro de 2015. As flebites foram avaliadas pela escala da Infusion Nursing Society (INS) para flebite que caracteriza a flebite de zero a quatro graus. Os dados foram descritos em tabelas e gráficos e em números absolutos e relativos. Resultados: O sexo masculino predominou 39 (68,4%), a média de idade foi de 62,4(±16,4) anos. Dentre os acessos periféricos puncionados foram utilizados cateter sobre agulha e cateter sobre agulha com extensão. Para os cateteres sobre agulha: 5 (14,7%) possuíam calibre 20 gauges (G); 25 (73,5%) calibre 22G; 1 (2,9%) calibre 24G e 2 (5,9%) não foram especificados. Já os cateteres sobre agulha com extensão: 2 (9,1%) possuíam calibre 18G; 5 (18,2%) calibre 20G; 15 (68,2%) calibre 22G; 1 (4,5%) calibre 24G. Dentre os medicamentos implicados na ocorrência de flebite estavam antibióticos (Tazocin, Vancomicina, Ceftriaxona e Claritromicina) 32 (45,7%); seguidos da amiodarona 12 (17,1%) e dobutamina 13 (18,6%). A região da punção de maior ocorrência foi o antebraço anterior 27 (47,4 %), seguida do dorso da mão 09 (15,8%) e fossa antecubital 07 (12,3%). O principal tipo de fixação foi o filme transparente 52 (91,2%) seguido pela fita adesiva 3 (5,3%). Em relação a classificação de flebite estádio 2 foi o mais apontado dentre os eventos adversos, seguido do grau 1, 15 (26,3%); do grau 3, 14 (24,6%) e não foram encontradas flebites grau 4. Conclusão: Os antibióticos, a amiodarona, e a dobutamina foram os medicamentos mais encontrados nos relatos de flebite e o grau 2 de flebite foi o mais frequente. A caraterização dos eventos de flebite pode contribuir com dados para a realização de intervenções com o objetivo de diminuir a ocorrência deste evento adverso.