52495

ENTEROBACTÉRIAS RESISTENTES AOS CARBAPENÊMICOS EM HOSPITAL PÚBLICO DO NOROESTE DO PARANÁ

Favoritar este trabalho

1Programa de Pós Graduação em Biociências e Fisiopatologia, Maringá, Paraná, Brasil, 2Laboratório de Análises Clínicas e Biomedicina, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil, 3Laboratório de Análises Clínicas do Hospital Municipal de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil. *e-mail: akmkariya@gmail.com

Infecções por enterobactérias resistentes aos carbapenêmicos (ERC) têm aumentado gradualmente ao longo dos anos, tornando-se um grave problema devido às limitações terapêuticas e elevada mortalidade em infecções relacionadas à assistência à saúde. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a prevalência de ERC, bem como verificar o perfil de resistência aos antimicrobianos de enterobactérias isoladas de pacientes em um Hospital público do noroeste do Paraná, entre janeiro e dezembro de 2015. Para isso, bactérias da família Enterobacteriaceae foram selecionadas e tiveram seu perfil de sensibilidade aos antimicrobianos anotado. Testes fenotípicos com bloqueadores enzimáticos e disco combinado, além de testes genotípicos por PCR para os genes blaKPC e blaNDM foram realizados. Um total de 474 enterobactérias foram isoladas no referido hospital, sendo 318 Escherichia coli, 74 Klebsiella pneumoniae, 3 Klebsiella oxytoca, 28 Enterobacter cloacae, 2 Enterobacter asburiae, 27 Proteus mirabilis, 11Citrobacter spp., 8 Morganella morganii, 1 Complexo Pantoea agglomerans, 1 Salmonella spp. e 1 Serratia marcescens. Destas, 48/474 (10,1%) mostraram resistência a pelo menos um carbapenêmico. A presença do gene blaKPC foi identificada em 18/474 (3,8%) enterobactérias, sendo 14 K. pneumoniae (77,7%), 2 E. cloacae (11,1%), 1 C. braakii (5,6%) e 1 E. coli (5,6%). Nenhuma enterobactéria apresentou o gene blaNDM. Mais da metade dos isolados de Enterobacter spp. (53,3%) mostraram resistência a pelo menos um carbapenêmico, sendo que 2 eram produtores de KPC. Estes isolados resistentes aos carbapenêmicos foram resistentes também a variados antimicrobianos, salvo amicacina, com 12/16 (75%) isolados sensíveis. A produção de ESBL (Extended spectrum beta-lactamase) foi fenotipicamente positiva em 84/474 (17,8%) enterobactérias. Amostra clínica prevalente foi a urina (87,4%) seguida de sangue (7,5%). Neste estudo detectamos uma alta frequência de resistência aos antimicrobianos nas enterobactérias estudadas, e uma preocupante taxa de resistência aos carbapenêmicos pela produção de KPC foi o principal mecanismo determinante de resistência a esta classe de antimicrobianos, principalmente em K. pneumoniae, o que enfatiza a necessidade de melhorias nas medidas de controle de disseminação de bactérias multirresistentes no hospital estudado.