Concepções e práticas organizativas de mulheres negras no assentamento Zumbi dos Palmares, Campos dos Goytacazes, RJ.

- 159117
Pós-Graduação-Oral
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

O presente resumo faz parte da pesquisa de tese intitulada “Organização de Mulheres Negras no assentamento Zumbi dos Palmares, em Campos dos Goytacazes (RJ)”, inserido no Programa de Pós-graduação em Políticas Sociais (PPGPS), da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, em diálogo com o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI), da mesma Instituição de Ensino, apoiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Esse processo organizativo é fruto da política de gênero adotada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e conta com o apoio de mediadores, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Neste trabalho, enfocamos a trajetória política de mulheres que integram o Coletivo Regina Pinho, tendo por base a seguinte questão: quais ideias têm orientado as concepções e as práticas políticas desse grupo? Dessa forma, buscamos compreender as contribuições dessa experiência organizativa enquanto ferramenta política das mulheres sem-terra na região Norte Fluminense. Para o alcance dos objetivos propostos na pesquisa, utilizamos a abordagem qualitativa por meio da aplicação de entrevistas de história de vida, sendo priorizadas as narrativas e as experiências de mulheres que integram o Coletivo Regina Pinho. Além disso, foram analisadas fontes documentais produzidas pelas integrantes desse grupo e de outras organizações que atuam nesse assentamento. O estudo aponta que esse processo organizativo se baseia no princípio da “coletividade” visando a construção de estratégias políticas para o “empoderamento feminino”. Com isso, esse grupo, enquanto “comunidade de aprendizagem” (Hooks, 2013) tem atuado de forma a criar canais de diálogo entre atores distintos dentro e fora do Zumbi. Enfim, o engajamento de mulheres sem terra é fruto da política de gênero adotada pelo MST, na última década. Esse processo organizativo coloca novos desafios para a consolidação dos direitos de cidadania no campo, uma vez que as imbricações entre, classe, raça e gênero impactam as condições de vida das mulheres camponesas, alimentando o ciclo da pobreza e de exclusão social em seus territórios.

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!

Instituições
  • 1 Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Eixo Temático
  • 4.12 UENF - PPG Políticas Sociais
Palavras-chave
Mulheres Negras Sem Terra; reforma agrária; Feminismos