Inclusão e exclusão na sociedade moderna: Desigualdade racial e Diferenciação funcional

Vol 3, 2022 - 148950
Iniciação Científica-Oral
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

A partir do entendimento de que a sociedade moderna não pode ser compreendida sem os conceitos de raça e racismo, o presente trabalho propõe analisar o processo de construção, reprodução e transformação das estruturas de desigualdades sociais que emergem nos diversos sistemas funcionais autônomos, como economia, política, direito, educação, entre outros. Trata-se de uma pesquisa teórica que está sendo desenvolvida a partir de uma revisão bibliográfica que busca aproximar os estudos Pós-Coloniais e De-coloniais da Teoria do Sistemas proposta por Niklas Luhmann. Dos estudos Pós-Coloniais e De-coloniais, utilizamos, em especial, a noção de “raça” como elemento historicamente construído que constitui a fundação da sociedade moderna, enquanto da teoria luhmanniana, compreendemos a sociedade moderna como regulada funcionalmente através de seus sistemas parciais. Esses sistemas se autonomizam enquanto esferas capazes de instrumentalizar a complexidade das relações sociais a partir de seus próprios elementos (autopoiese) e constroem narrativas parciais sobre a sociedade. Entretanto, essa dinâmica não anula a dependência de um sistema sobre o outro e a interdependência entre eles. Isso significa, de maneira geral, que as diferentes formas de desigualdades sociais (raça, classe, gênero, etc) possuem pesos diferentes em contextos específicos nos diferentes sistemas sociais. No entanto, é inegável que, seja em maior ou menor grau, a “raça” é um critério que orienta as possibilidades de inclusão e exclusão sistêmica dos indivíduos, visto que na história da raça sempre há contingência, conflito, poder e decisão. “Raça” é um conceito relacional e histórico e o racismo é um processo de classificação através da raça que configura também práticas de construção de subjetividades, de indivíduos cujas consciências e afetos estão de algum modo conectados com as práticas sociais. Com isso, conclui-se que as consequências sociais de se classificar pessoas por características biológicas (no caso aqui tratado, a cor da pele) tem efeitos tanto subjetivos (próprios da socialização dos indivíduos) quanto efeitos práticos no funcionamento dos sistemas sociais, resultando na distribuição desigual de chances de vida em função da constituição seletiva e contingente das estruturas que regulam a inclusão e a exclusão de indivíduos.

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!

Instituições
  • 1 Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Eixo Temático
  • 1.2 UENF - Ciências Humanas (CCH): 1. Ciências Sociais e C. Sociais Aplicadas
Palavras-chave
Inclusão e Exclusão
Desigualdade Racial
Diferenciação Funcional