FMAs autóctones multiplicados em cultura-armadilha aplicados em crescimento de milho (Zea mays L.) visando treinamento de agricultores familiares

Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Detalhes
  • Tipo de apresentação: Iniciação Científica-Oral
  • Eixo temático: 2.1 IFF - Ciências Biológicas e da Saúde
  • Palavras chaves: Biotecnologia; Micorriza; Horta Orgânica;
  • 1 Instituto Federal Fluminense

FMAs autóctones multiplicados em cultura-armadilha aplicados em crescimento de milho (Zea mays L.) visando treinamento de agricultores familiares

Bruno Arruda dos Santos de Jesus

Instituto Federal Fluminense

Resumo

Os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) são simbiontes obrigatórios de plantas que possuem a capacidade de aumentar a absorção de nutrientes do solo pelo vegetal simbionte, aumentando também a sua resistência ao estresse biótico e abiótico. Inoculantes contendo FMAs têm sido desenvolvidos e disponibilizados no mercado, no entanto a aplicação de inoculantes constituídos de microrganismos que não sejam nativos do local de plantio podem não produzir o resultado esperado, devido a diferentes fatores bióticos e abióticos na constituição edáfica de onde serão introduzidos. Sugere-se o desenvolvimento de inoculante com FMAs autóctones, desenvolvidos em cultura armadilha com planta isca com alta dependência micorrízica, como o milho. Este estudo buscou a identificação e multiplicação de FMAs presentes em área de instalação de horta orgânica e produção de inoculante fúngico para uso em agricultura familiar. Foi priorizado o desenvolvimento da etapa do desenvolvimento vegetal em viveiro como parte da preparação do material para minicurso de capacitação de agricultores familiares. Com o inoculante obtido em experimento prévio em vasos-armadilhas, foram desenvolvidas plântulas de Zea mays em viveiro aberto no pátio do IF Fluminense – Campus Cabo Frio, RJ. Foram desenvolvidos 40 vasos experimentais (20 inoculados e 20 sem inoculação fúngica) durante 120 dias. Foram aplicados 6 tratamentos experimentais em 5 réplicas: milho híbrido com inoculante em camada (MHC), milho natural com inoculante em camada (MNC), milho híbrido com inoculante homogeneizado ao substrato (MHH), milho natural com inoculante homogeneizado (MNH), milho híbrido sem inoculação (MH) e milho natural sem inoculação (MN). Os resultados obtidos apontam para um crescimento maior para os tratamentos inoculados, independentemente do tipo de deposição do substrato inoculado no vaso, exceto para (MHH). A maior altura (18,7±3,9 cm) da planta ocorreu nos tratamentos inoculados, assim como a maior espessura do colmo (0,82±0,13 cm). Nos tratamentos não inoculados verificou-se menor altura (15,3 ±13,6 cm) e espessura (0,57 ±0,15 cm) do colmo, evidenciando maior eficiência da micorriza em 18,2% para a altura e 30,4% para espessura do colmo nas plantas de milho inoculadas com FMA. Em nova etapa experimental, novas plântulas de milho inoculadas e desenvolvidas em dois tratamentos (inoculados e não inoculados) serão transplantadas para a área de plantio na Escola Agrícola Municipal Nilo Batista, Tamoios, Cabo Frio. Em suas dependências será ministrado o minicurso de "fertilização natural" aos agricultores familiares e demais interessados.

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!