82125

Ínfima adesão popular à atividade desenvolvida por estudantes de medicina em ESF.

Favoritar este trabalho

As iniciativas de educação em saúde são progressivamente incentivadas desde a formação universitária, com a inserção de acadêmicos em comunidades nas quais ações práticas de intervenção são necessárias. A partir disso, 12 acadêmicos de Medicina, sob a orientação de professora responsável, inseridos em ESF, observaram, através do contato com moradores locais e do conhecimento das demandas médicas, necessidade de conscientização de mulheres sobre os cuidados com a saúde de mães e recém-nascidos (RN). A ação consistiu em uma dinâmica com mulheres usuárias do SUS, e focava nos pontos: saúde da mãe, do recém-nascido e amamentação. A atividade foi desenvolvida como palestra e associada a dinâmicas que explicassem técnicas de aleitamento e higienização de RN, utilizando linguagem simples e condizente ao público. Para que as informações ficassem acessíveis à população, foi confeccionado material de apoio que, posteriormente, seria distribuído a ESFs da região. A chamada para a atividade foi feita por meio de convites à população local, por Agentes de Saúde, e na área física da ESF, com um mês de antecedência. Na data programada, contudo, não houve público. Esse resultado explicitou a relação distante entre o nível de atenção primário e comunidade a ele designada, e proporcionou o contato dos acadêmicos com situações possíveis do cotidiano médico, nas quais o paciente não está disposto a aderir à conduta proposta. A partir da observação de falhas existentes, dos resultados obtidos e do contato com a população, conclui-se que a falta de adesão à atividade pode ser justificada pelos problemas de vínculo ESF/usuários locais, acarretando dificuldades na prática de saúde. A comunicação eficaz, as diferenças de cultura e a empatia são ferramentas que, quando usadas corretamente, são capazes de diminuir distâncias existentes entre população/ profissionais da saúde, de modo que sua importância seja compreendida e incorporada no dia-a-dia dos moradores.