81421

Hanseníase forma Lepromatosa Lepromatosa no Rio de Janeiro: Um relato de caso

Favoritar este trabalho

O Brasil é o país com maior número de diagnósticos de Hanseníase no continente americano, segundo os dados da OMS para 2009. Dos 40.474 casos novos nas Américas, 93% foram notificados no Brasil. Segundo as medidas do Plano Integrado de Ações Estratégicas de Eliminação da Hanseníase, proposto pelo Ministério da Saúde (MS), a vigilância epidemiológica em hanseníase deve ser realizada desde a unidade básica de saúde até os serviços de alta complexidade. A paciente TRRO, 54 anos, atendida em julho de 2017 em caráter de primeira consulta no Ambulatório Sousa Araújo (Fiocruz), sob suspeita de hanseníase, ilustra a relevância do tema. Segundo ela, a evolução de seu quadro já transcorria por 6 anos, perpassando diversas consultas médicas em serviços de atenção primária, onde era frequentemente re-investigada para Diabetes Mellitus por conta de suas úlceras em membros inferiores. Ao exame, apresentava infiltração difusa de todo o tegumento, lesões cutâneas caracterizadas por tubérculos, nódulos disseminados, rarefação dos pelos de sobrancelhas (madarose) e fácies leonina. Em extremidades dos membros demonstrava lesões ulcero-necróticas, com perda falangeana distal e lesões necrotizantes (caracterizando vasculite). A discussão nesse texto visa avaliar as potencialidades da Medicina de Família e comunidade na identificação de quadros de hanseníase, sobretudo os multibacilares como o da paciente evidenciada, na tentativa de diminuir a cascata de transmissão dessa doença e o grau de incapacidade gerada, principalmente no contexto de vulnerabilidade social. O caso traz a superfície uma fragilidade do nosso sistema de saúde em negligenciar uma doença epidemologicamente relevante, com tratamento eficaz. Faz-se necessária a ampliação informativa sobre Hanseníase como doença sistêmica, para além das “manchas hipoestésicas”, assim como maior integração entre os serviços primário e secundário, aumentando o espectro diagnóstico e agilizando a condução de casos duvidosos.