82381

Proposta de estratificação de risco por avaliação de condições crônicas e sociais

Favorite this paper

Introdução: A Atenção Primária à saúde é a principal proposta de modelo assistencial da OMS atualmente e prevê realizar a coordenação do cuidado, ser o primeiro acesso, ter longitudinalidade, integralidade, abordagem familiar e enfoque comunitário. O Ambulatório Integrado da Vila Maria (AISVM) é um serviço de saúde escola da Universidade Nove de Julho, parceiro do Sistema Único de Saúde, organizado como atenção primária, sem adscrição de clientela por território, mas sim por demanda espontânea. Objetivo: Classificar por complexidade conforme a presença e somatória de doenças crônicas não transmissíveis e aspectos sociais os pacientes do AISVM atendidos pelos residentes de Medicina de Família e Comunidade entre março e junho de 2017. A classificação tinha como intuito realizar um diagnóstico da demanda, bem como auxiliar na organização do acesso e ensino. Metodologia: Estudo analítico, retrospectivo, com análise de 187 prontuários e levantamento das variáveis: hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, hipotireoidismo, insuficiência cardíaca, doença renal crônica, uso de medicações, risco cardiovascular, escolaridade, adesão, drogadição, deficiência física ou mental, doença psiquiátrica, apoio familiar, vulnerabilidade social e internação hospitalar nos últimos 6 meses. A cada critério foi atribuída pontuação conforme impacto no cuidado sugerido em revisão bibliográfica e experiência do serviço. Os pontos foram somados e os pacientes foram classificados em baixa (0 a 5), média (6 a 10) e alta complexidade (>= 11 pontos). Resultados: Foram classificados como baixa complexidade 81 pacientes, 61 de média e 45 de elevada. Discussão: O perfil populacional encontrado condiz com os dados nacionais. A partir da classificação foi possível organizar a convocação de pacientes, a demanda e as ações de ensino. Conclusão: A implantação de uma atenção primária à saúde e ensino bem estruturados amplia o acesso e permite a organização do cuidado considerando as ações de promoção, prevenção, reabilitação e estudo priorizadas dentro das características da comunidade.