50392

A atuação do professor intérprete de Libras em escolas do Estado do Rio de Janeiro

Favoritar este trabalho

Em razão da recente amplitude de ofertas de vagas para Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais e Português (doravante TILSP) para atuar em diversas instituições públicas e educacionais de municípios do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio de concursos públicos, considerou-se relevante investigar o perfil exigido desses profissionais que atuam como mediadores linguísticos no processo educacional experenciado por alunos surdos. A compreensão dessa realidade contará com o embasamento teórico da Lei de Libras 10.436/02; do Decreto 5.626/05; da Lei 12.319/10; da Lei 13.005/14 que apresentam proposições sobre a construção da educação bilíngue para surdos. Apoiou-se nas reflexões teóricas de QUADROS (2004), ROSA (2006), KELMAN (2005, 2008), LACERDA (2006, 2007, 2010), VIEIRA (2007), LACERDA & SANTOS (2014), ALBRES (2015), SÁ & SÁ (2015), dentre outros. Realizou-se uma investigação com uso de questionário sobre o entendimento dos próprios profissionais, de três escolas de um município do Estado do Rio de Janeiro que atendem alunos do Ensino Fundamental. Os discursos variam de acordo com a formação acadêmica que possuem. Há urgência de formação continuada através de cursos específicos de formação para tradutores e intérpretes que atendam a enorme demanda de formação e capacitação profissional.