30065

SER CEGO E A CORPOREIDADE: UM ESTUDO FENOMENOLÓGICO EXISTENCIAL EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Favorite this paper

Este trabalho apresenta resultados de um estudo que objetivou desvelar aspectos fenomênicos dos modos de ser e de se relacionar de um menino cego em aulas de Educação Física, considerando a perspectiva inclusiva, na ambiência de uma escola pública regular da rede de ensino da cidade de Vitória (ES).
Trata-se de uma abordagem qualitativa, sob uma perspectiva teórico-metodológica do Estudo de Caso, com inspiração fenomenológico - existencial. A fenomenologia tem sido utilizada para investigar fenômenos relacionados aos modos de ser do humano nas mais variadas perspectivas e aspectos de sua vida relacional.
Para pensar a corporeidade com noção fenomenológica, lançamos mão dos pressupostos teóricos de Maurice Merleau-Ponty que, dentre outros, entende a corporeidade como propiciadora de um estado de ser afetado pelo que recebe do outro e do mundo.
Em articulação com os conceitos de Merleau-Ponty buscamos na teoria de Norbert Elias, mais especificamente na sua obra “processos civilizadores”, embasamento para discutir conceitos sociológicos, como o de configuração, que nos possibilitou compreender aspectos das inter-relações sociais que influenciam e delineiam os modos de ser do estudante cego, nas suas cadeias de relacionamentos.
As conclusões deste estudo nos direcionaram para o entendimento de que, ser cego em aulas de educação física, faz parte do mundo em constante relação de reciprocidade e retroalimentação, onde a corporeidade apresenta uma consciência das coisas que vive na sua integralidade, se mostrando ao mundo, em uma mudança constante.