63984

PROPRIEDADES FÍSICAS DE COMPENSADOS FENÓLICOS PRODUZIDOS COM DIFERENTES ARRANJOS DE LÂMINAS DE Pinus taeda E Anacardium giganteum

Favorite this paper

A produção industrial dos painéis compensados no Brasil começou há muitas
décadas, com madeira proveniente de florestas nativas. Atualmente a maior fonte de matéria-prima é originária de florestas plantadas de rápido crescimento. Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar as propriedades físicas em compensados fenólicos produzidos com diferentes arranjos de lâminas de Pinus taeda L. (pinus), espécie tradicional, e Anacardium giganteum Hanc. ex Engl. (caju-açu), sendo uma espécie nativa empregada para produção de compensados multilaminados. Para o desenvolvimento do estudo foram avaliados quatro tratamentos, sendo produzido um total de doze painéis homogêneos e mistos. Cada chapa foi constituída por 5 lâminas, com espessura nominal de 2mm, dimensões de 500x500mm e consolidados por meio de prensagem a quente com
adesivo fenol-formaldeído. Os ensaios físicos determinados foram: teor de umidade, massa específica aparente, absorção de água, inchamento mais recuperação em espessura e recuperação em espessura, sendo realizados de acordo com as especificações da norma brasileira. Os painéis compensados produzidos exclusivamente com lâminas de cajueiro, bem como os painéis produzidos com diferentes arranjos de lâminas, apresentaram propriedades físicas satisfatórias quando comparados ao painel referência (pinus). De modo
geral, pode-se afirmar que é possível produzir painéis compensados fenólicos
multilaminados em escala industrial com madeira de cajueiro pura ou em combinação com madeira de pinus.