Favorite this paper

O Brasil depende basicamente do petróleo e de suas hidrelétricas como fontes de energia). O compromisso para redução da emissão de gases de efeito estufa e as condições ambientais, como a falta de chuva que levou o país a passar por dificuldades na produção de energia nos dois últimos anos, o que deixa claro a necessidade de buscar fontes alternativas de energia. Neste sentido o presente trabalho teve por objetivo avaliar briquetes produzidos com resíduos de cana-de-açúcar e de eucalipto, sob diferentes formulações. As formulações analisadas foram: 100% de resíduo de eucalipto (T01), 80% de resíduo de eucalipto e 20% de resíduos de cana-de-açúcar (T02), 60% de resíduo de eucalipto e 40% de resíduos de cana-de-açúcar (T03), 50% de resíduo de eucalipto e 50% de resíduos de cana-de-açúcar (T04).Foram estimadas as densidades básicas, umidade de equilíbrio e ritmo de degradação dos briquetes. Os poderes caloríficos, superior e inferior dos briquetes foram estimados a partir de equações ajustadas, utilizando-se como variáveis independentes os valores médios de teor de materiais voláteis (TMV), teor de cinza (TCZ) e teor de carbono fixo (TCF). Foi possível concluir que os resultados dos parâmetros testados não sofreram influência das diferentes proporções de resíduos adotados nos quatro tratamentos. Sendo necessários outros estudos para identificar uma relação entre os parâmetros analisados e as interações entre as partículas do eucalipto e da cana-de-açúcar, bem como a utilização de outros aglutinantes