64067

EXTENSIOMETRIA APLICADA À MEDIÇÃO DA DEFORMAÇÃO RESIDUAL LONGITUDINAL EM TÁBUAS VERDES DE Corymbia citriodora

Favoritar este trabalho

A Deformação Residual Longitudinal (DRL) é decorrente das tensões de crescimento, que são caraterísticas naturais presentes na maioria das árvores. A DRL pode ser medida nas árvores vivas, em toras ou em peças serradas, embora seja comum apenas medi-la em árvores. Entretanto, o conhecimento da DRL em peças serradas é importante para interpretar possíveis defeitos pós-desdobro e pós-secagem. O objetivo neste estudo foi avaliar as deformações residuais longitudinais resultantes das tensões de crescimento em tábuas verdes de Corymbia citriodora. Foram utilizadas 16 tábuas com cerca dos 60 anos de idade, provenientes do plantio da Universidade Federal de Lavras. Foi utilizado o método do extensômetro que consiste em medir com um relógio comparador o afastamento de dois pinos fixados no sentido da grã, inicialmente distantes 45 mm um do outro na superfície da tábua. Para promover a movimentação dos pinos, foi feito um furo entre os pinos com uma broca. Também foi determinada a densidade básica e a umidade da madeira em cada posição onde foram feitas as medições das DRLs. As deformações residuais longitudinais (DRLs) decorrentes das tensões de crescimentos para madeira de C. citriodora, quando avaliadas em tábuas em estado verde foi de 20 m, relativas à densidade básica média de 0,83 g.cm-3 e umidade média de 33%. Esses valores de DRL medidos em tábuas foram cerca de 1/5 das DRL medidas em árvores, reportados na literatura. Foi constatado que o extensômetro é uma ferramenta viável para determinação da DRL em tábuas serradas.