Favorite this paper

As propriedades mecânicas da madeira são determinadas, na maioria das vezes, por meio de métodos destrutivos. Entretanto, em determinadas situações, esses métodos são inviáveis, pois pode haver desperdício de material, uma vez que os corpos de prova não podem ser reaproveitados. Uma opção nessas situações é a utilização de métodos de ensaio não destrutivos, como o método da vibração transversal. O objetivo desse trabalho foi determinar o módulo de elasticidade da madeira de Eucalyptus grandis pelo método destrutivo e pelo método não destrutivo de vibração transversal, buscando comparar os resultados obtidos por esses métodos. Foi utilizada madeira de Eucalyptus grandis da qual foram retirados corpos de prova conforme as dimensões descritas na norma NBR 7190. O ensaio não destrutivo foi realizado por meio de um protótipo. As vibrações foram captadas na outra extremidade do corpo de prova por um microfone conectado a um computador contendo o software Fast Fourier Transform Spectrum Analyzer. O ensaio destrutivo de flexão estática foi procedido em uma máquina de ensaios universal e o ensaio foi feito de acordo com as prescrições da norma NBR 7190. Os módulos de elasticidade encontrados pelos métodos destrutivo e não destrutivo apresentaram uma alta correlação (R²= 0,82). Verificou-se que o módulo de elasticidade dinâmico foi cerca de 12% maior que o estático. A correlação entre o modulo de elasticidade estático e o dinâmico foi satisfatória, o que indica que há potencial para a utilização do método não destrutivo de vibração transversal para determinação do MOE da madeira.