14156

EFEITOS DE DOIS DIAGRAMAS DE CORTE NO RENDIMENTO DO DESDOBRO DE PINUS.

Favorite this paper

As serrarias que desdobram pinus na região serrana de Santa Catarina apresentam rendimento em torno de 45%, o qual pode ser aumentado com o estabelecimento de diagramas de corte e seleção das toras por classe diamétrica. O objetivo do estudo foi avaliar o rendimento de uma serraria de Pinus taeda por meio de diferentes diagramas de corte. O estudo foi desenvolvido em uma empresa da região do planalto sul catarinense, onde o desdobro principal com uma serra de fita simples, duas serras fita horizontais no processo de resserragem, uma serra circular múltipla no refilo e duas destopadeiras para definição do comprimento. Utilizaram-se no estudo 180 toras de Pinus taeda, as quais foram separadas 6 em lotes com 30 toras. No primeiro sistema de desdobro, as toras foram serradas na fita principal, originando vários sub-produtos como semi-bloco, bloco, pranchões e costaneiras, dependendo da qualidade da matéria-prima, ou seja, o serrador definia a melhor forma de desdobro. No segundo tratamento, a serra fita principal fazia somente dois cortes, retirando um semi-bloco na porção central e a costaneira era resserrada nas serras fitas horizontais. O cálculo do rendimento de cada lote foi feito pela relação entre o volume de madeira serrada e o volume de toras, expressando os resultados em termos percentuais. Como resultados, observou-se que o sistema de desdobro com melhor rendimento foi o “Empresa” que teve 2,43% a mais que o sistema de desdobro “Fatiado”, porém o sistema “Fatiado” tem melhores resultados em obtenção de peças com maior largura.