TENDÊNCIA TEMPORAL DA PREVALÊNCIA E MORTALIDADE INFANTIL DAS ANOMALIAS CONGÊNITAS NO BRASIL, DE 2001 A 2018

Vol 2, 2022 - 163600
Relato de Pesquisa
Favoritar este trabalho
Como citar esse trabalho?
Resumo

As anomalias congênitas (AC) são definidas pela Organização Mundial da Saúde como defeitos estruturais e/ou funcionais que ocorrem antes de nascimento, podendo ser identificadas no período intrauterino ou após o nascimento, assim a captação das informações sobre estas condições representa um grande desafio, sendo de extrema importância haja vista os impactos das AC na morbimortalidade infantil.

Objetivos

Descrever a tendência temporal da prevalência e mortalidade infantil por AC em nascidos vivos (NV) no Brasil e regiões, de 2001 a 2018, utilizando dados vinculados dos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e sobre Mortalidade (SIM).

Metodologia

Os NV no período de 2001 a 2018 registrados no SINASC foram vinculados ao SIM usando CIDACS-RL (Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para a Saúde – Record Linkage). Para o cálculo da prevalência de NV com AC, o numerador foram os NV notificados com AC no SINASC, somado aqueles não notificados no SINAC, mas com AC registradas no SIM, o denominador foi o total de NV no período estudado, por 10.000. A taxa de mortalidade infantil por AC foi dada pela razão entre o total de mortes por AC registradas no SIM e o total de NV, por 10.000. Para verificar a tendência temporal, aplicou-se a análise de regressão linear generalizada de Prais-Winten, com nível de significância de 0,05.

Resultados

A vinculação dos dados aumentou em 17,9% a prevalência das AC no Brasil no período estudado, passando para 86,2/10.000 NV, com tendência crescente e taxa de variação anual (TVA) de 5,20% (p =

Conclusões/Considerações

Observou-se uma tendência crescente da prevalência e mortalidade infantil por AC no Brasil e em quatro das cinco regiões. Possivelmente, este aumento decorreu da implementação, pelo Ministério da Saúde, de medidas para melhoria da notificação desse grupo, especialmente daquelas relativas à epidemia do vírus da Zika ocorrida a partir de 2015. A vinculação entre as bases mostrou-se como importante ferramenta para minimizar a subnotificação das AC.

Compartilhe suas ideias ou dúvidas com os autores!

Sabia que o maior estímulo no desenvolvimento científico e cultural é a curiosidade? Deixe seus questionamentos ou sugestões para o autor!

Faça login para interagir

Tem uma dúvida ou sugestão? Compartilhe seu feedback com os autores!

Eixo Temático
  • Eixo 03 - Sistema Único de Saúde: desafios persistentes e perspectivas