Sobre

Uma das etapas mais importantes da preparação para uma nova edição do Encontro Nacional da ABEP é a discussão e construção de sua programação científica. Um trabalho coletivo que envolve muitas mentes e mãos. Desde a escolha de um tema central que possa abarcar de forma ampla as questões que nos preocupam acerca dos mais variados aspectos da dinâmica demográfica, até a seleção de trabalhos e expositores convidados que dão forma e substância ao nosso principal evento científico nacional. Trata-se de uma longa e cuidadosa preparação, em que Diretoria, Conselhos e Coordenações de GTs da ABEP discutem sobre as temáticas e problemáticas de interesse das áreas de pesquisa e atuação no campo dos estudos populacionais e que devem ser contempladas no conjunto de atividades a serem realizadas durante o evento.

Em 2019, a escolha do tema central ―Brasil 2020: População e Informação em Perspectiva‖ foi movida pelo entendimento de que a produção de conhecimentos acerca da dinâmica demográfica brasileira avança na medida em que se investe nos meios necessários para o constante aperfeiçoamento das formas de captação, sistematização e exploração de informações sobre as várias dimensões e aspectos da vida social. Algo imprescindível tanto para orientar o planejamento governamental quanto a atuação de grupos da sociedade civil no atendimento das demandas do país.

Os processos de transformação da sociedade brasileira se caracterizam por alterações significativas em seu regime demográfico. As décadas recentes de acelerada modificação nos níveis e padrões de fecundidade e mortalidade experimentados em todas as regiões do País, assim como uma maior complexidade e diversidade na mobilidade da população, continua a nos desafiar na busca por alternativas de fontes de dados e de metodologias. Os Censos Demográficos, Contagem Populacional e Pesquisas Domiciliares permanecem como principais fontes de dados sobre a população brasileira, mas não são as únicas. Os registros administrativos igualmente se configuram como fonte importante para o tratamento de eventos com um nível de detalhamento maior e de menor temporalidade. A disponibilidade e acurácia das fontes de dados disponíveis são elementos essenciais nesse debate, pois o aprimoramento destas tem permitido também avançar nas metodologias e técnicas aplicadas e, consequentemente, na maior consistência e confiabilidade das análises e dos indicadores produzidos para o conhecimento das condições de vida das populações.

Ao iniciarmos a segunda década do Século XXI, esse debate ganhava contornos mais efervescentes diante da iminência de uma nova rodada do Censo Demográfico Brasileiro e de questionamentos acerca da necessidade de se repensar sua estrutura e formas complementares de captação de informações sobre os vários temas contemplados no questionário, que pudessem garantir os mesmos níveis de cobertura e qualidade censitária.

Essa discussão assume grande relevância para temáticas desenvolvidas por pesquisadores e especialistas em estudos populacionais, tais como; as condições de bem-estar da população; deslocamentos populacionais; fecundidade; comportamento sexual e reprodutivo; morbidade e mortalidade; meio ambiente, urbanização, relações de gênero, mercado de trabalho, subsídios para elaboração, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas, entre outras.

Iniciamos o ano de 2020 com uma Chamada de Trabalhos para o XXII Encontro Nacional da ABEP fortemente inspirada por esse debate. Pouco tempo depois, nos deparamos com o princípio de uma crise sanitária mundial em decorrência da Pandemia por Covid-19, nos trazendo um novo conjunto de preocupações e questionamentos. Em poucos meses, a realidade que precisávamos nos debruçar era de outra ordem. Dado o conjunto de tantas incertezas sobre o futuro à curto prazo não foi possível dar continuidade ao que fora planejado para o nosso encontro nacional. Outros tipos de atividades se concretizaram. No entanto, as ideias que alimentaram a definição do nosso tema central e da nossa Chamada de Trabalhos continuavam presentes e urgentes, até mesmo diante das muitas restrições impostas pelo contexto da pandemia. As desigualdades, as precariedades, os modos de se viver, morrer e mover do antes da Pandemia ainda precisavam ser revelados, discutidos e apreendidos para que pudéssemos também visualizar as possíveis consequências desses tempos pandêmicos.

Nesse sentido, a Diretoria da ABEP estimulou que coordenadoras e coordenadores de GTs e Comitês discutissem sobre a possibilidade de retomar debates que haviam sido planejados para a ocasião do XXII Encontro da ABEP. Como resposta tivemos a realização de alguns webnários e a elaboração desta publicação. Os GTs de População e Trabalho, de População e Gênero e de Migração deram continuidade ao processo de avaliação das propostas que haviam sido submetidas para a Chamada de Trabalhos, sendo encaminhadas para apreciação da comissão de pareceristas. As autoras e autores das propostas selecionadas foram convidados para compor essa publicação com seus trabalhos completos.

Migração, Trabalho e Gênero: textos selecionados reúne 55 trabalhos contemplando as seguintes temáticas: migração interna e mobilidade pendular; migrações internacionais e refúgio; migração e trabalho; migrações, gênero e família; articulação entre trabalho e família; trabalho e gênero; desigualdades no mercado de trabalho; trabalho, educação e mobilidades. Ao percorrer os títulos do sumário podemos perceber a presença de questões que nos são muito caras assim como de emergentes, tanto na busca de se avançar nas abordagens teóricas quanto metodológicas. Sem dúvida um bom convite para a leitura. Sem dúvida um bom convite para o debate.

Glaucia Marcondes

Abril de 2021

abep